Começa a ser complicado encontrar palavras para descrever o momento de Jonas no Benfica porque começa a ser complicado encontrar forma de parar a enxurrada de golos do brasileiro ao serviço dos encarnados: ao todo, naquele que foi o sétimo jogo consecutivo a marcar (reforçando o melhor registo pessoal de sempre), o avançado leva 21 golos na Primeira Liga, quase metade dos que foram apontados pelas águias na prova (43) e mais do que metade das 18 equipas da competição (dez).

Por isso, o nome do internacional anda associado de forma inevitável a recordes. E, na próxima partida, há mais dois que terá para atingir: por um lado, Jonas tentará igualar os oito encontros consecutivos de Óscar Cardozo a marcar, o melhor registo de um jogador do Benfica este século; por outro, terá como missão marcar a quem nunca marcou desde que chegou a Portugal, o Desp. Chaves. Em caso de sucesso, faz o pleno com todas as equipas.

Quando Jonas abre o livro, há sempre espaço para escrever mais um recorde

Acrescente-se que, além dos golos e das assistências (é o terceiro jogador com mais passes para golo desde que chegou à Luz, atrás de Pizzi e Gaitán), Jonas terminou também a primeira volta do Campeonato como o jogador com mais remates enquadrados com a baliza por jogo (2.6), à frente de Marega e Aboubakar.

Em paralelo, o golo que fez o momentâneo 2-0 acabou por contribuir para um outro feito bem mais importante em termos coletivos: o Benfica, que nesta altura tem apenas o Campeonato para jogar, somou a sexta partida seguida sem derrotas, igualando a melhor série da equipa na presente temporada.