Médicos

Ordem dos Médicos vai investigar denúncias de internos a fazer urgências sem supervisão

472

Médicos do Centro Hospitalar de Lisboa Norte denunciam situações de internos a fazer urgências sem supervisão de especialistas, o que é uma "falha grave". Ordem dos Médicos vai investigar.

MÁRIO CRUZ/LUSA

A Ordem dos Médicos vai fazer uma auditoria ao serviço no Departamento de Tórax do Centro Hospitalar de Lisboa Norte — o maior do país, que integra os hospitais lisboetas de Santa Maria e de Pulido Valente — para esclarecer situações de médicos internos a fazer urgências sozinhos, sem supervisão de especialistas, o que é considerado uma “falha grave”.

Segundo o jornal Público, que avança a notícia este sábado, a investigação surge depois de os médicos daquele serviço terem escrito um conjunto de cartas à administração do centro hospitalar a declinar responsabilidades por qualquer acidente que aconteça durante o trabalho, devido a falta de recursos — humanos e materiais — para efetuar o serviço em segurança.

Numa dessas cartas, era feita essa queixa: há médicos internos — os médicos mais jovens que estão a fazer a especialidade — a assegurar o atendimento nas urgências sozinhos, sem a supervisão necessária de um médico especialista. “Esta situação é grave. Ou é alterada ou o serviço arrisca-se a perder a idoneidade [para formar os internos]”, disse Miguel Guimarães ao Público.

Nas cartas, citadas pelo mesmo jornal, lê-se que os médicos declinam qualquer responsabilidade que decorra do trabalho em “circunstâncias em que não estejam reunidas as condições de segurança e qualidade à prática de atos médicos”, socorrendo-se para isso do artigo 271 da Constituição.

Já a administração do centro hospitalar diz não compreender as queixas uma vez que não há pedidos concretos relativos a meios humanos ou materiais e que as cartas “não objetificam o que estará em falta”. A administração diz-se também “tranquila” relativamente à auditoria que a Ordem dos Médicos vai levar a cabo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
884

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Ordem dos Médicos

Prescrição: Tempo para os nossos doentes

Miguel Guimarães
146

Não é admissível que os doentes sejam confrontados com situações de elevada pressão e condições de trabalho impostas pelo poder político que resultam em desprezo e desrespeito pela dignidade humana.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)