Financiamento dos Partidos

PS mantém posições sobre lei do financiamento dos partidos. Costa diz que “não é afronta”

654

Ana Catarina Mendes, diz que o partido "mantém todas as suas posições em relação à substância do diploma” que Marcelo vetou. António Costa diz que "não é uma afronta a ninguém".

A secretária-geral adjunta do Partido Socialista afirma que "voltaria a propor todas as alterações que o PS propôs"

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O PS afirma que mantém todas as suas posições em relação à substância do diploma sobre financiamento dos partidos e diz que voltaria a defender as mesmas propostas, depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter vetado a proposta.

Em declarações ao programa Parlamento da RTP, que será emitido este sábado, a secretária-geral adjunta do Partido Socialista afirma que “voltaria a propor todas as alterações que o PS propôs a acolher todas as aclarações que o Tribunal Constitucional propôs” à Assembleia da República.

“[O PS] Mantém todas as suas posições em relação à substância do diploma”, declarou Ana Catarina Mendes, segundo um excerto das declarações que fez ao programa Parlamento e que estão disponíveis no site da RTP.

A secretária-geral adjunta manifestou ainda “alguma estranheza” com o que considera ser o empolamento sobre as alterações à lei do financiamento dos partidos por parte de algumas forças partidárias e também por parte da comunicação social.

António Costa: “Não é uma afronta a ninguém”

O primeiro-ministro, António Costa, rejeita a ideia de que manter a posição sobre o diploma seja “uma afronta” ao Presidente da República. À chegada, na manhã deste sábado, à reunião da Comissão Nacional do PS, António Costa sublinhou que o que Marcelo pediu foi que o diploma fosse “objeto de debate mais alargado”.

“Não vi nenhuma reserva de fundo ao diploma”, destacou Costa, lembrando que as críticas foram dirigidas à forma como o processo se desenrolou. “O debate permitirá eliminar muitos dos fantasmas” em torno do assunto, acredita o primeiro-ministro.

Para Costa, a possibilidade de tornar a debater o diploma permitirá perceber que não há “qualquer interferência” e que “não aumenta o dinheiro, público ou privado, para os partidos”.

“Não é uma afronta a ninguém, é uma questão de coerência”, disse Costa, sublinhando que “nenhum partido votou aquele diploma sem saber o que estava a votar”.

O Presidente da República vetou as alterações à lei do financiamento dos partidos políticos, “com base na ausência de fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida no modo de financiamento dos partidos políticos”.

O veto presidencial obriga os deputados a uma de duas opções: ou alteram o diploma, aprovado em dezembro por PSD, PS, BE, PCP e PEV e votos contra de CDS-PP e PAN, para ultrapassarem as dúvidas do chefe do Estado ou confirmam a lei com uma maioria alargada de dois terços.

O diploma altera quatro leis relacionadas com a fiscalização e financiamento dos partidos políticos, prevendo que passa a ser a Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) a responsável pela fiscalização das contas com a competência para aplicar as coimas e sanções.

Além desta e outras alterações de processo de fiscalização, o diploma muda outras disposições relativas ao financiamento partidário, entre os quais o fim do limite para as verbas obtidas através de iniciativas de angariação de fundos e o alargamento do benefício da isenção do IVA a todas as atividades partidárias.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
PSD

Cá a direita vale menos do que na Venezuela? /premium

Miguel Pinheiro
100

Se o PSD é um partido de esquerda, então a direita em Portugal está reduzida ao CDS. Ou seja, vale 7%. Ou menos. Como nem na Venezuela a direita é tão tristemente exígua, alguém anda enganado.

Política

A direita deve unir-se num só partido /premium

André Abrantes Amaral

Perante a bipolarização escamoteada da política portuguesa uma coligação pré-eleitoral, de preferência uma fusão do PSD, CDS e Aliança num só partido de direita não só se torna necessária como natural

Crónica

O Rato rebolou a rir do repto a Rui Rio /premium

Tiago Dores
437

Eu acho estupendo. Propinas gratuitas, livros gratuitos, transportes gratuitos, tudo gratuito para toda a gente. Por este caminho o mais provável é acabarmos a trabalhar gratuitamente para o Estado.

PSD

A importância da regra do jogo /premium

Maria João Avillez

Eis Montenegro, com uma velocidade igual á infelicidade: que o faz correr agora? Mas o que ele disse foi inversamente proporcional ao estrépito com que galopou para a sela do PSD (que não a do país).

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)