A ideia de um segundo referendo ao Brexit tem ganho força, sobretudo depois de o ex-líder do partido independentista Nigel Farage ter admitido essa hipótese. Mas o líder dos trabalhistas, Jeremy Corbyn, deixa claro que não irá defender uma nova votação sobre a saída da União Europeia.

“Não estamos a apoiar nem a pedir um segundo referendo. A nossa posição é a de pedir um voto no parlamento, um voto que tenha significado”, afirmou Jeremy Corbyn neste domingo, à televisão ITV, citado pela Reuters.

A posição do líder do maior partido da oposição contrasta com o que disse um dos principais rostos da saída da UE, Nigel Farage: o ex-líder do partido UKIP está, cada vez mais, a ver com bons olhos a ideia de um possível segundo referendo no Reino Unido.

Seria uma forma de, “uma vez por todas”, calar as vozes que se continuam a opor ao Brexit apesar do resultado do referendo de 2016 — e o Leave ganharia com ainda mais do que os 52% com que venceu o referendo, garante Farage.

“Todos esses [Nick] Cleggs, esses [Tony] Blairs” deixariam de criticar quem quer levar a saída da UE em diante, admitiu Farage, ex-líder do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP), numa entrevista ao Channel 5.

Nigel Farage, um dos líderes do Brexit, já admite segundo referendo no Reino Unido

Nigel Farage voltou a falar sobre a possibilidade de um segundo referendo, poucas horas depois, dizendo que este é um cenário para o qual “temos de estar preparados”.

Com os conservadores liderados por Theresa May empenhados na negociação do Brexit sobre a saída da União Europeia, e com o maior partido da oposição — liderado por Jeremy Corbyn — a recusar-se a defender a hipótese de um segundo referendo, o único grande partido a defender uma nova consulta popular é o partido dos Liberais Democratas.

Brexit pode não acontecer, diz ministro do Brexit