Papa Francisco

Papa lança novo apelo à hospitalidade para com refugiados

374

O papa Francisco lançou hoje mais um apelo à hospitalidade para com os refugiados, acreditando que "pecar é desistir do encontro com o outro".

OSSERVATORE ROMANO/EPA

O papa Francisco lançou hoje mais um apelo à hospitalidade para com os refugiados, acreditando que “pecar é desistir do encontro com o outro”, por ocasião da comemoração do 104.º Dia Mundial dos Migrantes e dos Refugiados.

“Todo o imigrante que bate à nossa porta é uma oportunidade para conhecer Jesus Cristo, que se identifica com o estrangeiro de qualquer época, acolhido ou rejeitado”, disse o Papa durante a missa solene celebrada na Basílica de São Pedro em Roma.

“Não é fácil entrar na cultura que nos é estranha, colocarmo-nos no lugar de pessoas tão diferentes de nós, entender os seus pensamentos e experiências”, acrescentou o papa.

Jorge Bergoglio, ele próprio oriundo de uma família de emigrantes italianos na Argentina, defendeu que “muitas vezes desistimos de conhecer o outro e levantamos barreiras para nos defender”.

O papa defendeu que “as comunidades locais às vezes têm medo de que os recém-chegados interrompam a ordem estabelecida, ‘roubem’ algo que tenha sido dolorosamente construído”, defendeu.

“Os recém-chegados também têm medos: eles temem o confronto, o julgamento, a discriminação, o fracasso. Esses medos são legítimos, são baseados em dúvidas perfeitamente compreensíveis do ponto de vista humano”, disse.

Para o pontífice de 81 anos, “não é um pecado ter dúvidas e medos, o pecado é permitir que esses medos determinem as nossas respostas, condicionem as nossas escolhas, comprometam o respeito e a generosidade, o combustível do ódio e da recusa. O pecado é desistir do encontro com o outro”.

Desde o início do seu pontificado, em março de 2013, o Papa tem vindo a intensificar a posição a favor do acolhimento de refugiados e migrantes.

Na segunda-feira, o papa começa uma viagem de oito dias ao Peru e ao Chile, a sua 22.ª viagem ao exterior.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
25 de Abril

A liberdade

Paulo Tunhas

A nossa tradição, a nossa casinha, é pequenina e esperanças sanguíneas não são recomendáveis: temos de andar sempre um bocado curvados. Se fosse preciso prova disso, os discursos de ontem mostraram-no

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)