Vítor Manuel Rodrigues Lopes era delegado da Federação Portuguesa de Futebol. Tinha 64 anos. Foi a própria Federação a confirmar em comunicado a morte de Vítor Lopes no incêndio da Associação Recreativa e Humanitária de Vila Nova da Rainha, acrescentando que o mesmo foi secretário-geral da Associação de Futebol Coimbra e colaborou com a comissão organizadora do Euro 2004. “Acarinhado, respeitado e admirado pelos colegas que com ele privaram, [Vítor Lopes] deixa boas memórias também em várias gerações de futebolistas nacionais, pois esteve na organização de muitas competições interassociações de futebol”, lê-se no comunicado.

O presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, descreveu a morte de Vítor Lopes como “trágica e inesperada”. “A sua competência profissional, a sua dedicação, qualidades humanas e trabalho feito ao serviço da Associação de Futebol de Coimbra e da Federação Portuguesa de Futebol são um exemplo para toda a família do futebol português”, lembrou Fernando Gomes.

Vítor Lopes é uma de oito vítimas mortais da tragédia deste sábado à noite. Outras começam aos poucos a ser conhecidas.

É o caso de Sérgio Santos, fundador da Associação Recreativa e Humanitária de Vila Nova da Rainha. Como Sérgio, também Anselmo Abreu e Maria Máxima da Silva, de 52 anos, viviam naquela freguesia de Tondela. A informação foi avançada pelo Jornal de Notícias. O Correio da Manhã divulgou, entretanto, a identidade de outras vítimas: Vítor Coimbra, ou Vítor “Pasteleiro”, natural de Moledos, e Bernardo Antunes, de 52 anos, natural de Lobão de Beira.

Por identificar continuam ainda duas vítimas mortais: uma residente em Muna, Santiago de Besteiros, e outra de São Joaninho, em Santa Comba Dão.