O jardim zoológico de Boras, na Suécia matou nos últimos anos nove leões bebés saudáveis, por falta de espaço para todos os animais, admitiu esta semana o diretor do zoo. Em declarações à televisão sueca SVT citadas pelo El País, Bo Kjellson admitiu que é “difícil de explicar”, mas disse que não se pode “manter certos animais”.

Desde 2012, nasceram naquele jardim zoológico 13 crias de leão, mas já só restam duas, segundo o jornal sueco Aftonbladet, também citado pelo El País. O diretor do jardim zoológico justifica a necessidade de “sacrificar” as crias com o aumento da probabilidade de agressão entre os vários animais, motivado pela falta de espaço para todos.

Bo Kjellson disse ainda que não se pode considerar que aquelas crias sejam “bebés”, mas sim “jovens adultos”, pelo que se torna necessário afastá-las do grupo para evitar conflitos. O responsável explicou ainda que se tentou transferir os animais para outro jardim zoológico, mas sem sucesso.

A notícia provocou indignação entre a população sueca, com a imprensa daquele país a recordar um outro caso que também causou polémica nos países nórdicos: em 2014, uma girafa foi sacrificada no jardim zoológico de Copenhaga, na Dinamarca, e dada a comer aos leões.