Montepio

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa rejeita entrar “sozinha” no Montepio

O provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa indicou várias Misericórdias têm manifestado interesse em entrar no capital da Caixa Económica Montepio Geral.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) afirmou esta segunda-feira que a instituição, se entrar no capital da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG), não avançará “sozinha”, indicando que várias Misericórdias têm manifestado interesse em investir.

“Uma das condições que estava colocada em cima da mesa desde o início é que a Misericórdia de Lisboa, a entrar, não entrasse sozinha, mas entrasse em conjunto com outras entidades do setor social, e várias [Misericórdias] têm manifestado junto da Associação Mutualista [Montepio] a vontade de se associar a esse movimento, naturalmente com vínculos e intensidades financeiras diferentes, de acordo com aquilo que são as disponibilidades de cada Misericórdia”, declarou aos jornalistas o provedor da SCML, Edmundo Martinho.

À margem de uma cerimónia com outras Misericórdias do país, que decorreu em Lisboa, o provedor da SCML disse ainda que há “muitas instituições, quer Misericórdias, quer associações mutualistas, que estão disponíveis para entrar e que estão a aguardar que a Santa Casa Misericórdia de Lisboa tome a sua decisão” para que possam avançar em conjunto, “se for essa a decisão final”.

Questionado sobre se é a SCML quem tem a total responsabilidade de decisão, Edmundo Martinho assegurou que “cada Misericórdia tem a obrigação e a responsabilidade estatutária de decidir aquilo que deve fazer em relação às disponibilidades que tem”.

“No caso da Misericórdia de Lisboa, naturalmente cabe à mesa da Santa Casa de Lisboa tomar essa decisão. No que diz respeito às outras Misericórdias, caberá às respetivas administrações essa responsabilidade”, frisou o provedor da SCML.

Sobre a importância de conhecer os resultados consolidados do Montepio antes de tomar uma decisão, o dirigente da Misericórdia de Lisboa lembrou que está a ser desenvolvido um estudo, por uma entidade financeira autónoma e independente, que ajudará a tomar a decisão.

“Esse estudo é feito com base naquilo que são os elementos que estão disponíveis da Caixa Económica Montepio Geral e todos os elementos que estão a ser consultados e que nos permitirão seguramente tomar uma decisão. Os indicadores que existem, que estão disponíveis, são fiáveis para tomar uma decisão, seja ela qual for, portanto estamos em crer que até ao final do mês consigamos estar em condições para poder tomar uma decisão”, adiantou Edmundo Martinho.

Em 7 de janeiro, em entrevista à Antena 1, o ministro do Trabalho disse ter sido ideia do ex-provedor da SCML Pedro Santana Lopes o envolvimento da Santa Casa no setor financeiro, enquanto a hipótese de investimento no Montepio foi colocada pelo Governo.

Quanto a críticas feitas ao envolvimento do setor social no financeiro, Vieira da Silva falou em “profundo desconhecimento da realidade”, porque em “toda a Europa existem instituições financeiras do setor social”.

A CEMG, detida na totalidade pela Associação Mutualista Montepio Geral, está num período de mudança dos estatutos e mesmo da sua equipa de gestão, tendo a Associação Mutualista anunciado a entrada de Nuno Mota Pinto para presidente do banco, lugar ainda ocupado por Félix Morgado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Montepio

Um Franciscano no Montepio

João Simeão
304

O franciscano vigário tem muito “saber de experiência feito” e é mestre do disfarce e da desculpabilização das suas incoerências: “não fica nada para mim, vai tudo para os meus frades, para a Ordem"…

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)