Filipinas

Mais de 15 mil pessoas retiradas da zona do vulcão Mayon, no leste das Filipinas

O Mayon mostrou-se ativo na tarde de sábado com a emissão de nuvens cinzentas, que deixaram os arredores cobertos de cinzas. As autoridades mantêm o nível de alerta em três numa escala de cinco.

O vulcão Mayon entrou em erupção umas 50 vezes nos últimos cinco séculos

FRANCIS R. MALASIG/EPA

Mais de 15 mil pessoas foram já retiradas da zona do vulcão Mayon, em atividade desde o fim de semana, no leste das Filipinas, enquanto a lava continuou esta terça-feira a descer a encosta em redor da cratera.

A lava começou a descer a encosta do monte Mayon na segunda-feira à noite e avançou já até dois quilómetros de distância da cratera do vulcão, situado a cerca de 350 quilómetros a sudeste de Manila, informou a agência sismológica filipinas (Philvolcs).

As autoridades mantêm o nível de alerta em três (crítico), numa escala de cinco, por considerarem que pode ocorrer uma erupção violenta a qualquer momento, apesar de esta também poder demorar dias ou semanas. Ao todo, 15.410 residentes de localidades situadas na zona de perigo, num raio de sete quilómetros em redor da cratera, foram retirados para refúgios temporais, escolas e pavilhões polidesportivos da região.

O Mayon, que entrou em erupção umas 50 vezes nos últimos cinco séculos, mostrou-se ativo pela primeira vez na tarde de sábado, com a emissão de nuvens cinzentas, que deixaram os arredores cobertos de cinzas. À primeira erupção seguiram-se mais duas no domingo, que causaram 158 desprendimentos de pedra, dando início à retirada da população e à restrição de voos na zona.

A atividade do Mayon notou-se na região com fortes estrondos, chuva de cinzas e um forte odor a ácido sulfúrico, de acordo com testemunhas de residentes nas localidades mais próximas.

A erupção mais forte da história das Filipinas, a segunda maior do mundo no século XX, foi a do Pinatubo, em junho de 1991, que causou 850 mortos e mais de um milhão de afetados, e criou uma capa global de ácido sulfúrico com danos para a atmosfera.

O arquipélago filipino, onde existem 23 vulcões ativos, situa-se numa zona de intensa atividade sísmica, no chamado “Anel de Fogo do Pacífico”, que se estende da costa oeste do continente norte-americano até à Nova Zelândia, passando pelo Japão, Filipinas e Indonésia.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)