Foi descoberto um novo desenho de Van Gogh por especialistas holandeses. “A Colina de Montmartre com uma pedreira” é o título da peça, que já estava a ser estudada desde 2013. A obra, um desenho a preto e branco que data de 1886, foi feita durante o período em que o artista viveu em Antuérpia e em Paris.

A descoberta confirmou-se depois de uma intensa investigação, realizada no Museu Van Gogh, sobre o estilo, técnica e materiais usados num desenho até agora desconhecido, que pertence à coleção da Fundação de Arte Van Vlissingen”, de acordo com um comunicado do museu.

A obra vai estar exposta ao público no Museu Singer, em Laren, Holanda, até dia 6 de maio, juntamente com obras de Monet, Renoir e Picasso, numa mostra de trabalhos impressionistas, pós-impressionistas e expressionistas.

Durante anos, “A Colina de Montmartre com uma pedreira” permaneceu desconhecida. Quando chegou ao Museu Van Gogh, os especialistas concordaram que era efetivamente de Van Gogh, mas, ainda assim, ficaram intrigados relativamente “à questão das suas origens”.

A exposição dos desenhos de Van Gogh, no Museu Singer, em Laren, Holanda

Esta autenticação abriu portas a um outro trabalho. “A Colina de Montmartre”, de 1866, não tinha sido considerado como pertencente a Van Gogh, e agora poderá vir a ser-lhe atribuído, avançou o jornal El Español. Os desenhos, garante Teio Meedendorp, investigador principal do museu, “são claramente feitos pela mesma mão”.

“Os desenhos são feitos pela mesma mão, o estilo é idêntico e o modelo relaciona-se com o que Van Gogh fez pela primeira vez em Antuérpia, e depois no estúdio Cormon, em Paris”, contou Meedendorp.

Os materiais utilizados são semelhantes e, observando o tema, os dois podem interligar-se, pelo que as duas pinturas terão então sido desenhadas na primavera e início do verão de 1866, em Montmartre, pelo pintor holandês. Os especialistas dizem que as duas obras parecem ter sido feitas a cerca de 50 metros de distância.

“A Colina de Montmartre”, 1866

O tipo de técnica utilizado em ambos os trabalhos é, segundo um comunicado feito pelo Museu Singer, idêntico e “ilustra como ele [Van Gogh] estava à procura do seu próprio estilo no inverno e primavera de 1866”.

Este novo desenho atribuído ao pintor surgiu no legado de Georgina Vermeer, que conheceu Van Gogh e adquiriu a peça em 1917. Desde 1970, altura em que se fez o catálogo de Vicent Van Gogh, já foram descobertos nove desenhos e sete pinturas do artista.