Rádio Observador

Eurogrupo

Alemanha apoia Centeno mas não lhe facilitará a vida

Centeno foi a Berlim na primeira visita oficial como presidente do Eurogrupo e recebeu o apoio do ministro interino Peter Altmaier, mas com um aviso: a Alemanha vai manter-se fiel aos seus princípios.

OLIVIER HOSLET/EPA

Autor
  • Nuno André Martins

Mário Centeno fez a sua primeira visita oficial enquanto presidente do Eurogrupo a Berlim, onde viu o ministro das Finanças alemão, Peter Altmaier, declarar o seu apoio à sua presidência, mas também a garantir que a Alemanha se vai manter fiel aos seus princípios e quer a redução do risco antes de estes começarem a ser partilhados.

Depois de vários anos de divergências públicas com Wolfgang Schäuble, Mário Centeno fez a sua primeira visita enquanto presidente do Eurogrupo a Berlim, capital da maior economia da zona euro e de um dos mais influentes membros do grupo informal de ministros das Finanças do euro.

De Peter Altmaier, ministro interino das Finanças enquanto não há novo governo na Alemanha, o governante português recebeu uma declaração inequívoca de apoio, mas também a ideia de que a sua tarefa não será fácil para aproximar as posições e fechar alguns dos dossiês mais importantes que terá de gerir nos próximos dois anos e meio.

Poderás contar com o apoio da Alemanha. Por outro lado, estamos convictos que as tuas propostas irão na direção certa para melhorar todos”, disse o ministro alemão na conferência de imprensa que se seguiu ao encontro entre os dois ministros, no Ministério das Finanças em Berlim.

No entanto, Altmaier deixou um aviso: “temos de nos manter fieis aos nossos princípios”. Parte desses princípios, explicou-os logo de seguida, quando disse a Alemanha defende que os “riscos sejam reduzidos, antes de serem repartidos”, em resposta ao futuro da União Bancária e à discussão sobre o futuro esquema de garantia de depósitos europeu.

Mário Centeno teve uma posição mais cautelosa do que aquela que vinha a defender antes de ser presidente do Eurogrupo, defendendo que têm os governos do euro têm de “continuar a tomar medidas para reduzir o risco” e que esse “é um objetivo de todos os países da zona euro”. A solução, diz, “não pode ser conseguida à custa dos esquemas de garantia de depósitos dos países”, e terá de passar sempre por uma posição comum e que seja feita “de uma forma que seja confortável para todos”.

O presidente do Eurogrupo reafirmou em Berlim algumas das suas prioridades, que passam pela finalização da União Bancária, a simplificação das regras orçamentais europeias de forma a que sejam entendíveis pelos cidadãos e ainda que pretende que o cargo que desempenha agora venha a ser assumido por um presidente a tempo inteiro, com as competências de um ministro das Finanças da zona euro.

As eleições recentes e a retoma da economia europeia criaram uma janela de oportunidade, diz Mário Centeno, para pensar no que já foi feito e aperfeiçoar o trabalho, assim como criar as bases para que no futuro a economia europeia seja mais resistente a crises.

A ideia da criação de um ministro das Finanças da zona euro, muito querida aos socialistas europeus, não é algo que para Peter Altmaier deva ser discutido entre o Eurogrupo. Para o alemão, é uma competência do Conselho Europeu, onde estão os líderes dos governos da zona euro, e é lá que essa conversa deve ser tida.

“É uma questão muito interessante. Poderíamos estar aqui dias a falar sobre ela, mas não está no âmbito das competências do Eurogrupo, está no âmbito das competências do Conselho”, disse o alemão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)