Lojas

O Antigo Talho é a nova loja e restaurante vegano de João Manzarra

2.092

Dá para almoçar e para tomar um café, mas também para ir às compras. João Manzarra já abriu as portas d'O Antigo Talho, em Lisboa, um espaço 100% vegano e onde a carne passou à historia.

O mundo é mesmo um lugar cheio de ironia: o espaço que durante décadas funcionou como talho, no centro de Lisboa, é agora a casa de um projeto 100% vegano. Para mais explicações, o melhor é falar com João Manzarra, o mentor d’O Antigo Talho. Em 2014, o apresentador mudou radicalmente o seu estilo de vida, depois de ver o documentário Cowspiracy. Alterou a dieta, a roupa que usa e deixou de ser sócio da petiscaria Matateu, também na capital.

A ideia de reunir o novo estilo de vida num único espaço surgiu logo nessa altura. “Era tão inesperado ter-me tornado vegan… pelo Matateo, um sítio cheio de carne, por ter feito a campanha do McDonald’s”, conta João Manzarra ao Observador. Ainda assim o passo seguinte foi o menos óbvio de todos: procurar um talho. E encontrou este, aberto há décadas e a aviar lombos e costeletas com o vigor do primeiro dia. Passadas as negociações, o talho deixou de o ser e ficou irreconhecível. Reabriu há uma semana, depois de uns dias em dezembro para as compras de Natal, e traz dois ambientes distintos: a loja e o restaurante.

João Manzarra abriu na semana passada O Antigo Talho, uma loja e um restaurante vegano © André Carrilho/Observador

João é o primeiro a admitir que o plano inicial era fazer só um restaurante. Entretanto, o projeto tornou-se mais ambicioso. A configuração do espaço prestava-se a duas frentes, além de que Lisboa está muito mais bem servida de comida vegano do que propriamente de artigos de moda e lifestyle. Dito e feito. Na curadoria, João contou com a ajuda do irmão, António Manzarra. Pesquisaram, viajaram e o resultado é uma mistura de marcas e autores portugueses com objetos dos quatro cantos do mundo.

De Berlim chegam as mochilas da Ucon Acrobatics, de Nicarágua as sandálias em corda da Nomadic State of Mind e da Dinamarca as originais Solo Socks, feitas com fibras orgânicas e vendidas sem par (potencia a criatividade e evita que vão parar ao lixo quando se perdem do par).

Solo Socks, as meias dinamarquesas que não se vendem aos pares estão à venda n’O Antigo Talho

Mas o made in Portugal também dá cartas, a começar pela Näz, a marca de roupa cujos tecidos provêm de excedentes de produção e amostras de fábricas portuguesas. Os cogumelos da Mushi têm lugar de destaque na montra, enquanto a Ducka prova que o bom design pode ser feito a partir de lixo ou de objetos que já ninguém quer. Soa-lhe tentador? A gerência agradece, embora esteja tudo a postos para colar uma mensagem bem grande numa das paredes: “Se não precisa, não compre”.

E não é só o raciocínio que é verde, as paredes também. O projeto de reconversão do talho em loja é assinado por Joana Astolfi, que pendurou candeeiros de barro, plantas no teto — artificiais, mas feitas de material reciclado — e mais umas quantas num vaso-expositor cheio todo moderno — essas sim, já crescem em terra firme. O ambiente apela, no mínimo, a alguma serenidade e até fez o dono do antigo talho (não d’O Antigo Talho, mas do antigo talho) verter uma pequena lágrima quando visitou pela primeira vez o espaço renovado. Isto, segundo nos contou João Manzarra. Outra dado curioso e que também vale de informação útil: escusa de pedir um cartão da loja ao balcão. O combate ao desperdício começa logo aí. Há uma placa com os contactos na parede e quem quiser fotografa.

Os wraps fazem parte da ementa de refeições leves do espaço © André Carrilho/Observador

Subidas as escadas, o espaço começa a apertar. Com capacidade para 18 pessoas, o restaurante anuncia a ementa do dia logo cá em baixo na porta. A dieta é vegana, as refeições leves e as opções vão rodando todos os dias. No dia em que visitámos O Antigo Talho havia sopa de batata-doce e couve-flor, tofu crocante com pak choi e beringela assada e um wrap de vegetais com tofu marinado e molho chamado San Goku.

Os menus de almoço variam entre 10€ e 13,50€, pratos e bebidas. À tarde, o espaço reabre como cafetaria com tudo a que há direito: tostas de abacate, bolo de banana e taças energéticas. Aos fins de semana, o brunch vegano vai das 11h às 16h e custa 12,50€.

Nome: O Antigo Talho
Morada: Avenida Duque de Loulé, 85, Lisboa
Horário: De segunda a sexta das 11h30 às 15h e das 16h às 19h30 e sábado e domingo das 11h às 16h

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Eutanásia

Carta aos deputados do PSD sobre a eutanásia

Sofia Galvão

Os partidos não pediram um mandato aos eleitores em 2015 para alterar o statu quo no que diz respeito à eutanásia. Também por essa razão, os deputados do PSD têm a obrigação de votar contra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)