Pequena startup norte-americana até aqui pouco notada, mas que tem já a decorrer programas de testes com veículos autónomos, em ambiente real e em vários locais dos EUA, a Voyage acaba de captar a atenção de um “tubarão”. Falamos da Jaguar Land Rover (JLR), construtor automóvel britânico que acaba de investir 2,4 milhões de euros na companhia sedeada em Santa Clara, na Califórnia, com a qual espera conseguir chegar mais-além no domínio dos automóveis que se conduzem a si próprios.

Mas, como é que a Voyage pode contribuir para isso? Numa fase em que tem já a decorrer várias iniciativas de testes com protótipos de veículos autónomos em alguns locais dos EUA, possuindo, inclusivamente, licença do estado da Califórnia para a realização, já este ano, de testes em ambiente real, esta startup tem vindo a desenvolver o seu programa com base no feedback obtido junto de residentes em alguns aglomerados populacionais de reformados, localizados quer em San José, na Califórnia, quer em Orlando, na Florida. Os quais têm vindo a utilizar as suas unidades de teste.

O investimento da JLR terá surgido numa altura em que a Voyage levava a cabo uma acção de captação de investidores. E que resultou, até ao momento, num encaixe de pouco mais de 13 milhões de euros em fundos.

Com a entrada no capital da Voyage, o fabricante britânico segue assim o caminho percorrido por vários outros construtores automóveis tradicionais, que têm vindo a apostar nas startups que desenvolvem o seu trabalho no domínio do automóvel autónomo, ao mesmo tempo que levam a cabo os seus próprios projectos – recorde-se, a propósito, que a JLR está a testar veículos equipados com nível 4 de autonomia, no Reino Unido, desde Novembro de 2017.

Um dos exemplos desta estratégia é aquilo que aconteceu com a General Motors (GM) e a Cruise Automation. Esta última, uma startup fundada em 2013 e que centrou a sua acção no desenvolvimento de um Nissan Leaf 100% autónomo. No entanto, em Março de 2016, a pequena companhia acabou “engolida” pelo gigante automóvel norte-americano, que por ela pagou uma soma acima dos 408 milhões de euros. Convertendo-a naquele que é hoje o departamento de veículos autónomos da GM.