Rádio Observador

Adolescentes

Desafio das cápsulas de detergente: mais um fenómeno viral e altamente perigoso

231

O novo desafio viral é comer cápsulas de detergente, filmar e publicar na internet. Quem o faz são crianças e jovens. A PSP já emitiu um aviso no Facebook a alertar para os perigos.

Só nos primeiros 15 dias de janeiro, foram reportados 39 casos de adolescentes que ingeriram as cápsulas

A PSP divulgou, na passada terça-feira, um aviso na página de Facebook, relativo a um novo desafio altamente perigoso que invadiu as redes sociais. É um desafio viral que consiste na ingestão de cápsulas de detergente ou a sua colocação na boca — o objetivo é filmar e partilhar nas redes sociais.

No aviso, lê-se que as cápsulas “são altamente concentradas e projetadas unicamente para o seu fim”, devendo “ser armazenadas longe do alcance das crianças”.

As preocupações quanto aos vídeos publicados na internet têm crescido nos últimos tempos, principalmente porque mostram muitas vezes situações perigosas e incitam os utilizadores, na sua maioria crianças e jovens, a seguirem os mesmos caminhos. É o caso do novo “desafio das cápsulas de detergente” (“Tide Pod challenge”, em inglês), que mostra crianças a mastigarem cápsulas ou até mesmo a cozinhá-las em pizzas ou massas, como está publicado em vários posts nas redes sociais.

Aquele que seria um meme inofensivo sobre como parecem bem e saborosas as cápsulas de detergente tornou-se, segundo o site The Verge, em algo perigoso, com um número cada vez maior de adolescentes a comerem as cápsulas e a filmarem o acontecimento. Na imprensa internacional lê-se que “as cápsulas atraem as crianças” por “cheirarem bem e serem coloridas”.

nos primeiros 15 dias de janeiro, avança a Time, já foram relatados 39 casos de adolescentes que utilizaram as cápsulas deste modo e de forma propositada. No ano passado houve um total de 53 casos e, em 2016, foram reportados 39.

Os perigos do “Tide Pod challenge”

As crianças que estiveram expostas a estas cápsulas foram hospitalizadas com vómitos, dificuldades de respiração e perda de consciência, mas é certo que as consequências podem ser bem piores. Desde 2012, foram relatadas oito mortes em crianças com menos de cinco anos, por ingerirem estes produtos.

Estas cápsulas são potencialmente tóxicas, uma vez que contêm etanol e peróxido de hidrogénio, que podem queimar a boca, o sistema digestivo e o estômago, de acordo com a Consumer Reports, podendo conduzir a graves dificuldades gastrointestinais.

A sua ingestão, segundo o Washington Post, pode provocar uma alteração na pressão sanguínea e frequência cardíaca, perda de consciência ou convulsões, e se o detergente entrar na corrente sanguínea pode mesmo ser fatal.

“Comer cápsulas de detergente é má ideia”

O aumento do número de adolescentes a aderir a este desafio viral está a alarmar os pais, os Centros de Controlo de Intoxicação nos Estados Unidos, mas também a companhia detentora do detergente Tide, a Procter & Gamble, e o YouTube.

A Procter & Gamble disse, num comunicado, que está “profundamente preocupada com as conversas relacionadas com o uso intencional e impróprio das cápsulas de detergente”, acrescentando que estas são feitas unicamente “para lavar a roupa”. A porta-voz Petra Renck afirmou que não devem ser utilizadas em qualquer brincadeira, “devem ser usadas corretamente e armazenadas em segurança”.

A empresa fez, na semana passada, uma campanha com Rob Gronkowski, onde o jogador de futebol americano da equipa New England Patriots desencoraja os jovens a seguir o exemplo, dizendo que comer as cápsulas é má ideia.

A Comissão de Segurança de Produtos de Consumo, nos Estados Unidos, já alertou também, através do Twitter, para o perigo do desafio.

O YouTube já está a tomar medidas no sentido de remover os vídeos sobre o desafio das cápsulas de detergente. A companhia disse que “As Diretrizes da Comunidade do YouTube proíbem conteúdos que encorajem atividades perigosas que tenham risco inerente de danos físicos”, acrescentando que estão a trabalhar para remover que os vídeos “que violam as nossas políticas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

Mal educados são os outros /premium

Eduardo Sá
519

A mim inquieta-me que se cultive, em “português suave”, a ideia de que a boa educação representará um tique “de direita”. Ou que é, manifestamente, uma coisa característica das pessoas da província.

Pais e Filhos

Deixem a adolescência em paz! /premium

Eduardo Sá
13.813

Dêem-lhes tempo para ser adolescentes! Deixem-nos errar. Deixem-nos querer mudar o mundo. Deixem-nos ter sonhos. Deixem-nos pôr os pais em causa. Mas não deixem (nunca!) de ser pais. 

Redes Sociais

Bullying aos adolescentes /premium

Maria João Marques
130

Adultos que esmagam nas redes sociais adolescentes só porque estes foram tontos e desmedidos (como os adolescentes normais são) são bem mais perigosos e daninhos que qualquer adolescente provocador.

Discriminação

A Universidade e a raça

Ricardo Cabral

É pena ver parte dos políticos a não abordar os assuntos raciais com a maturidade necessária. É triste saber que Portugal é governado por quem desconhece a verdadeira e diversa realidade portuguesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)