Estas aldeias foram morada de milhares de pessoas, as únicas da freguesia que tinham igreja e as primeiras obras de empreendimento urbanístico em Portugal. Mas não tardaram em ser apagadas do mapa. Em cima delas foram erguidas barragens ou construídas cidades maiores. Algumas ficaram debaixo de cinzas ou areia, por causa da força da natureza. E depois caíram no esquecimento.

Só em Portugal existem dez aldeias — e centenas de ruas, vielas ou praças que ficaram debaixo de água ou foram demolidas em nome de infraestruturas mais ambiciosas. Aquelas que ficaram submersas pelas barragens reaparecem de tempos a tempos, quando o nível da água baixa e as ruínas ficam à vista. Outras foram transformadas em pó.

Veja na fotogaleria dez aldeias portuguesas e sete internacionais que desapareceram do mapa.