História

Estas 17 aldeias desapareceram do mapa. E 10 são portuguesas

Foram submersas pela água das barragens, destruídas para construir cidades ou dominadas pela força da natureza. Estas 17 aldeias desapareceram (quase) de um dia para outro. Dez ficavam em Portugal.

Wikimedia Commons

Estas aldeias foram morada de milhares de pessoas, as únicas da freguesia que tinham igreja e as primeiras obras de empreendimento urbanístico em Portugal. Mas não tardaram em ser apagadas do mapa. Em cima delas foram erguidas barragens ou construídas cidades maiores. Algumas ficaram debaixo de cinzas ou areia, por causa da força da natureza. E depois caíram no esquecimento.

Só em Portugal existem dez aldeias — e centenas de ruas, vielas ou praças que ficaram debaixo de água ou foram demolidas em nome de infraestruturas mais ambiciosas. Aquelas que ficaram submersas pelas barragens reaparecem de tempos a tempos, quando o nível da água baixa e as ruínas ficam à vista. Outras foram transformadas em pó.

Veja na fotogaleria dez aldeias portuguesas e sete internacionais que desapareceram do mapa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Política

A mais natural das direitas

Jorge Miguel Teixeira
175

O grupo de Ofir, liderado por Lucas Pires. reforça o trabalho de pensamento alternativo ao socialismo, reafirmando o papel central da Europa, da democracia e da abertura económica no Portugal moderno.

História

Angola é nossa! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
310

Angola é nossa porque é da nossa língua, como nossa é também porque, na sua imensa maioria, é católica.

Colonialismo

África, África...

João Freire

Só após as exigências da Conferência de Berlim (1884-85) o governo de Lisboa foi constrangido à ocupação efectiva dos territórios coloniais, inicialmente por meios militares devido à resistência local

História

O precedente do Intendente /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
429

A principal riqueza de uma nação não está nos seus bens patrimoniais, mas no aprumo e dignidade moral dos titulares dos órgãos de soberania e de todos os seus cidadãos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)