Música

Musicólogo Rui Vieira Nery distinguido com Prémio Universidade de Coimbra 2018

Rui Vieira Nery, musicólogo, historiador e professor universitário, foi distinguido com o Prémio Universidade de Coimbra 2018. O prémio tem o valor de 25 mil euros.

António Cotrim/LUSA

O musicólogo, historiador cultural e professor universitário Rui Vieira Nery foi esta quinta-feira distinguido com o Prémio Universidade de Coimbra 2018, anunciou o reitor João Gabriel Silva.

Professor da Universidade Nova de Lisboa e diretor do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas (na Fundação Gulbenkian também foi diretor-adjunto do Serviço de Música e diretor do programa Educação para a Cultura), Rui Vieira Nery é licenciado em História pela Faculdade de Letras de Lisboa e doutorado em Musicologia pela Universidade do Texas, em Austin.

Rui Vieira Nery desempenhou, entre diversos outros cargos, o de comissário das Comemorações do Centenário da República Portuguesa e de presidente da Comissão Científica da candidatura do Fado à Lista Representativa do Património Cultural imaterial da Humanidade (UNESCO).

O Prémio Universidade de Coimbra, no valor de 25 mil euros, distingue uma personalidade de nacionalidade portuguesa que se tenha afirmado por uma intervenção particularmente relevante e inovadora nas áreas da cultura ou da ciência.

O galardão, instituído em 2004, patrocinado pelo banco Santander Totta e apoiado pelo Jornal de Notícias, já distinguiu o crítico gastronómico José Quitério, o antigo reitor da Universidade de Lisboa Sampaio da Nóvoa, o cineasta Pedro Costa, o músico e compositor António Pinho Vargas, a cientista Maria de Sousa, o investigador catedrático de química Adélio Mendes e o artista plástico Julião Sarmento, entre outros nomes.

O prémio da edição deste ano é entregue em 01 de março, durante a sessão solene comemorativa do 728.º aniversário da Universidade de Coimbra.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Porque vou votar contra a eutanásia /premium

Inês Domingos

Vou votar contra porque acredito que a dignidade humana não se esgota com as nossas capacidades ou com o nosso estado de saúde. Para mim, a dignidade do ser humano persiste até ao último sopro. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)