Bolsa

Wall Street fecha em baixa mas há alertas para insustentabilidade da valorização

A bolsa norte-americana fechou nesta quinta-feira em baixa, arrastada pelas empresas do setor da energia e pela Boeing.

JUSTIN LANE/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A bolsa norte-americana fechou nesta quinta-feira em baixa, arrastada pelas empresas do setor da energia e pela Boeing. Os resultados definitivos da sessão indicam que o Dow Jones Industrial Average recuou 0,37% (97,84 pontos), para as 26.017,81 unidades, e o Nasdaq 0,03% (2,23), para as 7.296,05. O índice alargado S&P500 perdeu 0,16% (4,53), para os 2.798,03 pontos.

Os títulos das empresas de energia agrupados num subíndice do S&P500 baixaram 0,80%, depois da divulgação de um relatório dos EUA sobre o nível dos ‘stocks’ petrolíferos no país “dececionante”, segundo Phil Davis, da PSW Investments. Os dois principais grupos norte-americanos do setor, Exxon Mobil e Chevron, baixaram respetivamente 0,65% e 0,58%.

Depois de ter valorizado mais de 4% na quarta-feira, a ação da Boeing, construtor aeronáutico e membro relevante do seletivo Dow Jones, caiu 3,09%, o que afetou este índice. A bolsa nova-iorquina interrompeu assim a sua série de recordes, depois de ter fechado por sete vezes em níveis inéditos nos três principais índices desde 01 de janeiro.

“Os níveis de valorização são insustentáveis e ridículos”, comentou Davis. A forte tensão dos rendimentos das obrigações do Tesouro dos EUA também pressionou o mercado acionista, afirmou Art Hogan, da Wunderlich Securities, com a taxa a 10 anos a evoluír para 2,619% depois dos 2,590% registados na noite de quarta-feira. Já hoje culminou nos 2,626%, o valor mais alto desde março de 2017.

Da mesma forma, o rendimento das obrigações a 30 anos avançou hoje para 2,894%, depois dos 2,857% de quarta-feira. A taxa de rendimento paga pela dívida norte-americana a dois anos atingiu, por seu lado, os 2,056% durante a sessão, um máximo desde 2008. “Esta evolução traduz uma subida da inflação norte-americana, bem entendido que ligeira, mas que vai encorajar o banco central norte-americano a continuar a subir as suas taxas de juro”, comentou Tom Cahill de Ventura Wealth Management.

Excluindo itens voláteis como a energia e a alimentação, o índice dos preços no consumidor avançou 0,3% em dezembro, “a subida mais importante desde janeiro de 2017”, sublinhou o Departamento do Trabalho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)