A balança corrente da zona euro registou um excedente de 32.500 milhões de euros em novembro de 2017, mais 0,93% do que no mesmo mês de 2016, anunciou esta sexta-feira o Banco Central Europeu (BCE).

Em novembro de 2016, o excedente tinha sido de 32.200 milhões de euros.

O BCE indicou que em novembro de 2017 se registou um excedente de 31.100 milhões de euros em bens, outro de 10.500 milhões de euros em rendas primárias e outro de 4.500 milhões de euros em serviços, que foram parcialmente compensados por um défice de 13.600 milhões de euros em rendas secundárias.

Em termos acumulados de 12 meses, desde novembro de 2016 a balança corrente registou um excedente de 386.100 milhões de euros – equivalente a 3,4% do produto Interno Bruto (PIB) da zona euro – que traduz um aumento de 1,6% face aos 375.100 milhões de euros do ano anterior.

Este excedente homólogo deveu-se ao crescimento do excedente dos serviços (de 43.400 milhões para 73.700 milhões de euros) e nas rendas primárias (de 98.700 milhões para 112.600 milhões de euros).

Estes acréscimos foram parcialmente compensados por uma diminuição do excedente de bens (de 371.900 milhões para 349.100 milhões de euros) e um aumento do défice nas rendas secundárias (de 138.900 milhões para 149.400 milhões de euros).

Em relação à conta financeira da zona euro, em novembro de 2017 o investimento direto e em carteira registaram uma aquisição líquida de ativos no valor de 45.000 milhões de euros e uma contração líquida de obrigações de 30.000 milhões de euros.

Em termos acumulados, os investimentos diretos e em carteira totalizaram uma aquisição líquida de ativos de 776.000 milhões de euros enquanto a contração líquida de obrigações foi de 313.000 milhões de euros.

A balança corrente mede os ingressos e pagamentos ao exterior através da troca de mercadorias, serviços, rendas e transferências.