Startups

eSolidar. Empresa portuguesa vai lançar moeda digital para apoiar causas solidárias

367

A plataforma portuguesa de angariação de fundos para causas sociais eSolidar prepara-se para lançar uma moeda digital num ICO que vai permitir apoiar causas solidárias.

A eSolidar lançou recentemente uma solução de responsabilidade social para empresas

A plataforma portuguesa de angariação de fundos solidários eSolidar vai lançar uma moeda digital numa Oferta Inicial de Moeda (ICO), que vai poder ser usada para apoiar causas solidárias, permitindo que o valor da moeda aumente sempre que é usada. Os investidores que participaram na última campanha de crowdfunding (financiamento coletivo) que a empresa concluiu na Seedrs vão ter acesso privilegiado à moeda, com desconto.

Com este ICO, a eSolidar quer usar a tecnologia blockchain (protocolo que permite transacionar moedas na Internet sem regulamentação) como ferramenta para o impacto social e garantir que as doações são recebidas e usadas corretamente.

A eSolidar pode tornar-se um ecossistema solidário mais forte através de uma interface fácil de usar, conectando a comunidade solidária, permitindo transparência total e rastreabilidade dos donativos e do seu impacto. Doadores, instituições de solidariedade, causas e projetos irão beneficiar muito dos serviços possibilitados através da tecnologia blockchain”, afirma o presidente Marco Barbosa.

A novidade surge depois de a eSolidar concluir com sucesso a segunda campanha de financiamento na Seedrs (a primeira foi a maior campanha de investimento de uma empresa portuguesa na plataforma) no valor de 150 mil euros, em troca de 4,6% do capital. A empresa ficou avaliada em 3,12 milhões de euros.

A eSolidar é uma plataforma de angariação de fundos que reúne quem precisa de ajuda e quem quer ajudar, disponibilizando diversas ferramentas como lojas solidárias e leilões solidários com celebridades e experiências. Recentemente, também lançou uma solução de responsabilidade social para empresas.

Já a Seedrs é uma das principais plataformas de financiament coletivo em todo o mundo. Foi a primeira plataforma a nível mundial a ter a atividade autorizada e regulada, especificamente pela Financial Conduct Authority no Reino Unido, e recebeu autorização da entidade supervisora britânica para operar em qualquer país da União Europeia. Tem escritórios em Lisboa, Londres, Nova Iorque, Amsterdão e em Berlim e foi cofundada pelo português Carlos Silva.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)