Exportações

Augusto Santos Silva: ‘Made in Portugal’ representa “mais valor acrescentado”

Augusto Santos Silva disse este sábado, em Paris, que os setores do mobiliário e dos têxteis-lar são "exemplos da modernização" em Portugal e que o país representa hoje "mais valor acrescentado".

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, defendeu este sábado, em Paris, que os setores do mobiliário e dos têxteis-lar são “exemplos da modernização” em Portugal e que o país representa atualmente “mais valor acrescentado”.

As declarações foram feitas na feira Maison & Objet, que arrancou esta sexta-feira e decorre até 23 de janeiro, no Parque de Exposição de Paris Nord Villepinte, e onde estão representadas mais de cem empresas portuguesas dos setores do mobiliário, têxteis-lar, decoração, iluminação, acessórios e cozinha.

“No setor têxtil-lar, Portugal está entre os dez países mais exportadores do mundo e no setor mobiliário estamos entre os 20 países mais exportadores do mundo. Portanto, já não é baixos salários, já não é baixos custos de produção, é sobretudo mais valor acrescentado”, afirmou o ministro em reação às conclusões de um estudo do Observatório sobre Crises e Alternativas segundo o qual a consolidação da retoma económica está a criar precariedade.

O barómetro, divulgado a 5 de janeiro, revelou que o predomínio da precariedade continua, com a redução do peso dos contratos permanentes no setor privado e a degradação dos salários.

O chefe da diplomacia portuguesa argumentou que o modelo de crescimento de Portugal “já não é baseado em baixos salários” porque acrescenta “mais valor no processo de produção, no processo de comercialização e nos serviços” prestados aos clientes e declarou que “essa ideia antiga de que Portugal exportava, sobretudo, cortiça ou calçado ou vestuário é uma ideia justamente cada vez menos adequada à realidade”.

Augusto Santos Silva explicou que, nas exportações, a França é o segundo cliente de Portugal e Portugal o 15º fornecedor da França e apontou como principais grupos de produtos ou serviços exportados para França as viagens e o turismo, os veículos e outros meios de transporte, os serviços ligados aos transportes e as máquinas e aparelhos.

Na Maison & Objet, “uma feira importantíssima” da fileira casa, em que “Portugal está entre os cinco países mais representados”, o ministro salientou que “os setores que tradicionalmente são fortes nas exportações portuguesas modernizaram-se muito e são, aliás, dos setores que mais se modernizaram em Portugal e mais se adaptaram às novas competições da competição internacional”.

“Justamente, os dois setores principais que estão aqui presentes, o setor mobiliário e o setor têxteis-lar, são exemplos desta modernização”, continuou, acrescentando que “o conjunto da fileira casa significa hoje em Portugal 3,5% das exportações, significa mais de 6.000 empresas, mais de 42.000 postos de trabalho diretos e exportações no valor anual superior a mil e setecentos milhões de euros”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, acompanhado pelo secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, está em Paris, esta sexta e sábado, numa missão de diplomacia económica que descreveu como “muito importante porque a internacionalização da economia portuguesa é um dos motores do crescimento da economia e do emprego”.

Esta sexta-feira, Santos Silva reuniu-se com empresários e investidores da comunidade portuguesa em França e o secretário de Estado visitou a Bijorhoca – Feira Internacional de Joalharia e a Who´s Next – Feira Internacional de Moda, que ocorrem em simultâneo no centro de exposições da Porta de Versalhes e nas quais há cerca de duas dezenas de empresas portuguesas a participar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A hipocrisia das casas da esquerda /premium

Filomena Martins
190

Costa fez negócios de especulação imobiliária com idosos que tanto criticou. Iglesias comprou um chalet de luxo e violou o código de ética que impôs no Podemos. É a hipocrisia moralista da esquerda.

Europa

Falta de confiança  /premium

Manuel Villaverde Cabral

Por todo o lado são cada vez mais os eleitores que se abstêm ou que se viram para os «populistas» que tudo prometem e, até agora, não conseguem mais do que piorar as coisas, aumentando a instabilidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)