A disputa pela concelhia do Porto do PS foi ganha por Renato Sampaio este sábado, com uma margem mínima. Apenas 34 votos separaram o socialistas que já comandou durante anos a distrital do partido no Porto, pelo jovem deputado do partido, Tiago Barbosa Ribeiro. Ao Observador, Renato Sampaio diz que agora tem “a obrigação de unir o partido”.

E a divisão de votos foi grande, nesta concelhia de peso na maior distrital do PS no país e as contas não se fecham apenas na contagem pura e simples dos votos. Aí, Renato Sampaio teve 733 votos e a lista de Barbosa Ribeiro conseguiu 699: 51% para um lado, 49% para o outro. Mas na comissão política da concelhia (o órgão executivo), foi Tiago Barbosa Ribeiro que ficou com a maioria, já que aos 30 membros que conseguiu eleger, soma ainda as sete inerências da JS da concelhia (que o apoiou) e ainda Manuel Pizarro, presidente da Federação do PS do Porto (que também esteve com a sua lista). Na prática, o jovem deputado tem 38 nomes do seu lado na comissão política e Renato Sampaio tem 31.

É o próprio Barbosa Ribeiro que o frisa em declarações ao Observador: “Tenho maioria para deliberações na comissão política”. Mas o socialista também diz que “não quer obstaculizar nada. Mas tenho maioria e posso exercer o poder, caso seja necessário”. O aviso fica feito. Entre algumas das decisões a que a comissão política concelhia tem de dar ok estão a lista do partido pelo círculo do Porto para as legislativas de 2019 e o candidato autárquico do partido. Duas deliberações que vão ter lugar no tempo do mandato que os eleitos têm agora pela frente, dois anos.

A guerra pela concelhia do Porto que está a agitar o PS

A minutos de fazer a sua declaração de vitória, Renato Sampaio disse apenas ao Observador, quando confrontado com a margem curta conseguida, que agora cabe-lhe “a obrigação de unir o partido”. O socialista tem influência forte na concelhia, tendo sido já líder da federação distrital do Porto do PS, e era apoiado pelos principais sindicatos de votos locais, como explicou o Observador na sexta-feira passada. Renato Sampaio conquistou a liderança da concelhia, mas o seu adversário nota que “não se verificou a grande vitória que antecipavam”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No final de março, os militantes socialistas do Porto vão ainda escolher o líder distrital, sendo Manuel Pizarro recandidato ao cargo. Até agora, os homens de Renato Sampaio não deram como afastada a hipótese de avançarem com um candidato alternativo a essa eleição.