Venezuela

Presidente venezuelano anuncia plano de medicina tradicional face à escassez de medicamentos

1.616

Num momento em que o país enfrenta uma grave escassez de medicamentos, o presidente da Venezuela apresentou um plano para encorajar a população a tratar-se com plantas e produtos naturais.

CRISTIAN HERNANDEZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, apresentou este sábado um “plano de medicina tradicional” para encorajar a população a tratar-se com plantas e produtos naturais, quando o país enfrenta uma grave escassez de medicamentos.

O “Plano medicina 100% natural” pretende reavivar a saúde tradicional, as receitas da avó, anunciou Nicolas Maduro numa conferência de imprensa no Palácio Presidencial de Miraflores, adiantando na ocasião que se estava a curar de uma “gripe terrível” graças à camomila, aloe vera, limão e um pouco de mel.

“É uma receita tradicional da minha família (…). A medicina cientifica e a medicina tradicional devem andar juntas”, defendeu o chefe de Estado.

Desde o ano passado que manifestações contra a falta de medicamentos e outros produtos para colmatar necessidades básicas agitam o país.

A organização não governamental Coligação das Organizações pelo Direito à Saúde e à Vida denunciou uma “falta total e prolongada” de medicamentos essenciais para tratar doenças como a insuficiência renal, o cancro ou a esclerose múltipla.

A escassez atinge igualmente os antibióticos ou os medicamentos para a tensão arterial.

Em novembro último, doentes e respetivas famílias manifestaram-se junto às embaixadas do Canadá, Costa Rica, Holanda e Peru para pedir a estes países que façam pressão sobre Caracas no sentido de ser criado um corredor humanitário que permita a entrada de medicamentos no país.

Um mês antes, o Governo de Maduro relançou um plano de distribuição de medicamentos através de uma linha direta.

Para poderem beneficiar deste sistema os cidadãos devem possuir um Cartão da Pátria que permite aceder a programas de ajudas sociais que a oposição classifica como um “instrumento de controlo social”.

O Governo venezuelano nega a existência de uma crise humanitária e denuncia que as sanções financeiras impostas pelos Estados Unidos dificultam a importação de alimentos e medicamentos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)