IURD

Vigília frente ao Parlamento exige inquérito às adoções ilegais ligadas à IURD

303

Movimento da Verdade, que organizou a vigília, recolheu até ao início da manhã deste sábado 3 mil assinaturas online. 200 pessoas exigiram inquérito isento a adoções ilegais ligadas à IURD.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Cerca de duas centenas de pessoas juntaram-se em frente à Assembleia da República para exigir a criação de “uma comissão parlamentar de inquérito, isenta” sobre os casos de adoções ilegais envolvendo a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

Ana Piedade, do Movimento da Verdade, que organizou a vigília, disse à agência Lusa, que este movimento que recolheu até ao início da manhã de hoje 3.000 assinaturas “online”, quer “a criação de uma comissão parlamentar de inquérito, isenta, para investigar estas adoções a fundo”.

Ana Piedade afirmou que há inquéritos internos a decorrer na Segurança Social e na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, mas o que exigem “é uma comissão independente, com especialistas, uma equipa multidisciplinar, que analise estas situações e apure responsabilidades”.

O advogado Garcia Pereira, que participou na vigília, nesta questão das adoções ilegais que envolveram elementos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), “o Estado falhou em toda a linha”, e defendeu que “a verdade não prescreve”.

O causídico, em declarações à Lusa, manifestou dúvidas se os crimes prescreveram.

“Eu não dou por assente que tenha havido prescrição de procedimentos criminais, porque a lógica na prescrição criminal é que nos crimes continuados é que esse prazo apenas se inicia no último ato que tenha sido praticado”, argumentou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)