Um tribunal de Bagdad condenou este domingo à morte uma cidadã alemã de origem marroquina por associação ao grupo extremista Estado Islâmico na Síria e no Iraque, sendo a primeira mulher europeia condenada a pena capital no Iraque.

Em comunicado, citado pela agência noticiosa AFP, o porta-voz do Tribunal Penal Central de Bagdad, Abdel Settar Bayraqdar, disse que a mulher, cuja identidade não foi revelada, foi condenada por “apoio logístico e ajuda à organização terrorista para cometer crimes”.

Segundo o tribunal, que julga casos de terrorismo, a condenada, que será enforcada, “reconheceu durante os interrogatórios ter saído da Alemanha para ir para a Síria e depois para o Iraque, para se juntar ao Estado Islâmico, com as duas filhas, que se casaram com membros da organização”.

Em julho, a justiça alemã anunciou que uma adolescente alemã, de 16 anos, tinha sido presa na cidade de Mossul, no norte do Iraque, por se ter juntado ao Estado Islâmico.

Na altura, o semanário alemão Der Spiegel noticiou que a jovem se tinha juntado a outros três cidadãos alemães presos em julho em Bagdad, incluindo um de origem marroquina.