A bolsa de Lisboa encerrou esta segunda-feira em alta, pela quarta sessão consecutiva, com o índice PSI20 a subir 0,98% para 5.744,83 pontos, impulsionado pelos ganhos do banco BCP.

Das 18 cotadas que integram o PSI20, nove subiram, duas ficaram inalteradas e sete desceram.

O BCP destacou-se esta segunda-feira a subir 5,06% para 0,3199 euros.

O jornal Expresso publicou, este fim-de-semana, que o Banco Central Europeu (BCE) teve uma reunião com os representantes dos principais acionistas do banco, a chinesa Fosun e a angolana Sonangol, na qual manifestou vontade de conhecer logo que possível os novos membros dos órgãos sociais do BCP.

Já a petrolífera Galp subiu 1,36% para 16,38 euros e a Mota-Engil 1,13% para 4,04 euros, no dia em que esta empresa anunciou que ganhou um contrato, no valor de cerca de 140 milhões de euros, de conceção, construção e operação de um aterro em Abidjan, na Costa do Marfim.

Ainda em alta fecharam as cotadas da energia: a EDP Renováveis avançou 0,71% para 7,11 euros, EDP 0,21% para 2,89 euros e REN 0,08% para 2,56 euros.

Em sentido contrário, as quedas foram lideradas pelo CTT — Correios de Portugal, a descer 3,41% para 3,514 euros, enquanto a Pharol desceu 1,78% para 0,25 euros.

Também com quedas fecharam Nos (-0,54% para 5,01 euros) ou Jerónimo Martins (-0,31% para 17,51 euros).

A maioria das principais bolsas europeias também abriram a semana em terreno positivo, com Frankfurt a avançar 0,28%, Paris 0,28%, Milão 0,59% e Madrid 1%. Já Londres caiu 0,20%.

Os analistas relacionam a tendência em alta do mercado com os avanços para a formação de um Governo na Alemanha entre a conservadora União Democrata-Cristã CDU (de Angela Merkel) e os social-democratas do SPD.