Sinistralidade Rodoviária

Governo admite helicópteros e drones para fiscalizar velocidade e inibir sinal de telemóvel

971

Governo pondera usar helicópteros da Proteção Civil ou drones para controlar velocidade nas estradas. E admite também instalar mais radares e inibir o sinal de telemóvel ao volante.

JOSÉ COELHO/LUSA

O Governo pondera vir a usar helicópteros da Proteção Civil ou drones para fazer controlo de velocidade nas estradas, admitindo também instalar mais radares e inibir o sinal de telemóvel ao volante.

O secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, falava aos jornalistas à margem da apresentação de um estudo sobre condutores do Automóvel Clube de Portugal de medidas para contrariar o “preocupante” aumento do número de mortos nas estradas no ano passado, travando uma tendência de cada vez menos sinistralidade grave.

“É uma das soluções seguidas em Espanha e França e há a possibilidade também cá termos esse modelo”, declarou, afirmando que há “tecnologias muito evoluídas” e relativamente simples que poderão equipar “os helicópteros que estão ao dispor da Autoridade Nacional de Proteção Civil” para serem usados na fiscalização de velocidade.

Numa avaliação prévia, o Governo está a encará-la como “uma boa solução” para enfrentar o problema da velocidade excessiva que provoca acidentes.

A tutela estuda também “aplicações com as operadoras para diminuir o uso de telemóvel”, incluindo “inibições de sinais” com respostas automáticas para chamadas recebidas que indicam que “o condutor está ao volante e não pode atender a chamada”.

Assim se pretende evitar “um dos principais fatores de acidentes, as colisões e despistes que resultam, não da estrada, mas do uso do telemóvel.

As soluções mãos livres podem “limitar o uso da mão, mas não resolvem o problema da distração”.

“O alargamento da rede de radares, reduzir o limite de velocidade para 30 quilómetros por hora em alguns locais e a georreferenciação de locais de acidentes recorrentes” são outras medidas que se admitem para cumprir o Plano Nacional de Segurança Rodoviária e voltar a reduzir os números da sinistralidade.

Segundo números provisórios da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, em 2017 morreram 509 pessoas nas estradas portuguesas, mais 64 do que em 2016, e os feridos graves aumentaram de 2102 para 2181.

José Artur Neves salientou o facto de 54% das mortes terem ocorrido dentro de localidades.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)