Óscares

Luís Sequeira, um lusodescendente entre os nomeados para os Óscares

663

Luís Sequeira está entre os nomeados aos Óscares para o "Melhor Guarda-Roupa". Lusodescendente radicado em Toronto, começou no design por causa da mãe e está agora entre os nomes maiores do cinema.

Tornou-se figurinista por influência da mãe, que desenhava vestidos de casamento em Portugal. Hoje, no dia em que foram anunciados os nomeados aos Óscares de 2018, Luís Sequeira, lusodescendente que se radicou em Toronto, no Canadá, entrou para a galeria de honra de Hollywood depois de ter visto o filme A Forma da Água (The Shape of Water, no original) ter sido nomeado para o prémio de melhor guarda-roupa.

Pouco conhecido do grande público, apesar de ser um nome sólido na indústria do entretenimento, Luis Sequeira trabalhou durante seis anos no mundo moda, como recorda aqui a Costume Designer Guild. Depois, especializou-se nas pequenas e grandes produções. Da televisão ao cinema, o lusodescendente participou na produção de títulos como Cinderella Man, Being Erica, Carrie ou The Strain.

Na página pessoal de Facebook, é possível encontrar várias referências a Portugal, do Porto a Lisboa, com paragens por Espinho ou Carcavelos. Em dezembro, em entrevista ao Film Doctor, Luís Sequeira explicou assim o seu percurso: “Era um jovem estilista, trabalhei em conjunto com a fábrica e criei a minha própria linha. Acabei por deixar a moda e por entrar na indústria cinematográfica, como estagiário. Toda essa trajetória de trabalhar de baixo para cima em todas as áreas do guarda-roupa fez-me bem”.

Foto retirada do Facebook de Luís Sequeira

Mesmo depois liderar muitos projetos, fui assistente de outros grandes designers. Essas experiências permitiram-me ver os processos criativos de outras pessoas e experimentar a realidade dos outros. Isso fez de mim um melhor designer”, comentava na altura.

Para a construção do guarda-roupa de A Forma da Água, Luís Sequeira inspirou-se no período da Guerra Fria. Visitou fábricas em Nova Iorque, Los Angeles, Filadélfia, Toronto e Montreal, à procura das peças mais vintage que conseguiu encontrar, como contou em entrevista ao Deadline.

“Tínhamos de contar os tostões, por isso tivemos de ser inteligentes e tomar as decisões certas. Tive de me certificar que a minha parte estaria à altura do incrível talento de todos”, revelou na mesma entrevista.

Prova dessa exigência são as palavras de Michael Shannon, um dos atores de A Forma da Água. Em declarações à Vanity Fair, o ator comparou o rigor de Luís Sequeira ao dos estilistas da Prada com quem trabalhara.

“Luís Sequeira queria que os meus fatos me assentassem de uma forma muito particular. Foi a prova mais exigente que já tive — ainda mais do que quando trabalhava com marcas como a Prada. Ele queria que todas as medidas fossem exatamente corretas e chegámos a passar por dois ou três alfaiates. Era quase uma loucura, uma obsessão para que as coisas servissem de forma correta”, revelou o ator.

A 4 de março, na noite da Cerimónia dos Óscares, Luís Sequeira saberá se 2018 marcará o ano de entrada para o Olimpo do cinema.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)