Saúde

Portugal tem 48 mil doentes com esquizofrenia. Doença custa 436 milhões de euros por ano

244

Estudo "O custo e a carga da esquizofrenia em Portugal" concluiu que a prevalência da esquizofrenia em Portugal "será de cerca de 48 mil doentes", dos quais 7 mil não têm acompanhamento médico.

Manuel Almeida/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Portugal tem 48 mil doentes com esquizofrenia, dos quais 7 mil sem acompanhamento médico, e os custos com esta doença atingem os 436,3 milhões de euros anuais, segundo um estudo do Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência.

“O custo e a carga da esquizofrenia em Portugal” foi realizado por uma equipa desta unidade por este centro da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa que procurou estimar os custos e a carga da esquizofrenia para 2015. As conclusões da investigação serão publicadas no formato de artigo na revista “International Journal of Clinical Neurosciences and Mental Health”, distribuída no XIII Congresso Nacional Psiquiatria, que decorre entre quinta-feira e sábado, no Algarve.

O estudo concluiu que a prevalência da esquizofrenia em Portugal “será de cerca de 48 mil doentes, sendo que o número de doentes seguidos pelo sistema de saúde (público e privado) deverá estar na ordem dos 41 mil doentes”. Os autores apuraram que, em 2015, perderam-se 28.588 anos de vida por incapacidade (indicador DALY, que leva em conta a mortalidade e a morbilidade). Destes 28.588 DALY perdidos, 84% foram por incapacidade e 16% por mortalidade prematura.

Em relação ao custo total desta perturbação mental complexa e grave, a investigação contabilizou 436,3 milhões de euros, ou seja, 0,24% do Produto Interno Bruto (PIB). Os custos diretos – internamento, reabilitação, ambulatório, hospital de dia ou medicamentos – da esquizofrenia foram de 96,1 milhões de euros (0,6% de todas as despesas de saúde em 2015).

A estes acrescem custos indiretos dos doentes (absenteísmo, não participação no mercado de trabalho, produtividade reduzida) no valor de 331 milhões de euros e de 9,3 milhões de euros pelos cuidadores, num total de 340,3 milhões de euros, lê-se nas conclusões do estudo.

“Ao contrário do que é típico encontrar-se noutras doenças, no caso da esquizofrenia os custos indiretos são responsáveis por mais de metade dos custos totais, mais precisamente por cerca de 78% destes custos”, prossegue a investigação.

Em 2015, estima-se se que se tenham perdido cerca de 25 mil anos de vida por incapacidade por esquizofrenia, que corresponde ao número de anos com menor qualidade de vida devido à doença, decorrentes das limitações que podem gerar.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura
544

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

ADSE

As guerras da saúde fazem sentido? /premium

Rui Ramos
289

Na cínica “ideologia do SNS” não temos qualquer preocupação com a saúde pública, mas um projecto de domínio da sociedade pelo poder político e ainda um cálculo eleitoral partidário. 

Ministério da Saúde

A ministra incendiária /premium

José Manuel Fernandes
2.929

O PS enganou-se no campo de batalha, pois querer tratar como “supletivo” 42% do nosso sistema de saúde não é apenas uma loucura ideológica, é uma facada no coração da classe média. Em ano de eleições.

Saúde

Brincar com a saúde! /premium

Manuel Villaverde Cabral
147

A gerigonça tem muitas batatas quentes nas mãos mas estas duas (saúde e envelhecimento) talvez possam ser politicamente iludidas nas próximas eleições mas não no futuro financeiro e económico do país.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)