216kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

O MEO ajuda-o a poupar, simule aqui.

A polémica do fotógrafo de Cavaco que agora é de Medina e ganha 4 mil por mês

Este artigo tem mais de 3 anos

Luís Filipe Catarino fotografou durante 10 anos Cavaco Silva. Agora, a Câmara de Lisboa gasta mais de 4 mil por mês para fazer o mesmo com Medina. Trabalhou em simultâneo com a CML e a campanha do PS.

i

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Luís Filipe Catarino foi durante 10 anos o fotógrafo oficial do Presidente Cavaco Silva. Em novembro de 2016, a menos de um ano das autárquicas, Fernando Medina decidiu contratar Catarino para que o fotografasse nas ações públicas. Agora — como se pode verificar no site Base.gov a 24 de janeiro — a avença foi renovada: 4.615,57 euros brutos por mês (3.752,50, excluindo o IVA). Já durante a campanha eleitoral, o trabalho do fotógrafo tinha levantado dúvidas, uma vez que numas horas do dia trabalhava para o presidente da Câmara, Fernando Medina, e noutras para o candidato do PS, Fernando Medina. Na altura, o Observador questionou o gabinete de Medina e o fotógrafo e ambos garantiram: “É o PS que paga as fotografias da campanha.”

Começando pela polémica mais atual: o novo contrato de Luís Filipe Catarino especifica que o “objeto principal” do contrato é a cobertura de sete grandes eventos que ocorrem (ou ocorreram) em Lisboa. Em causa estão o Espetáculo de Fim de Ano, o Festival da Eurovisão, as duas edições da ModaLisboa de 2018 (em março e outubro), a Volvo Ocean Race (em agosto de 2018), a Volta a Portugal em Bicicleta, em agosto de 2018, e Lisboa — Capital Europeia do Desporto em 2021 (o que se supõe ser trabalho preparatório, já que o contrato acaba nos primeiros cinco meses de 2019). Ora, a publicação O Corvo fez as contas e distribuiu os 71.923,00 euros do contrato (sem IVA) por cada um dos eventos e noticiou que Catarino iria receber 10 mil euros por evento.

A Câmara respondeu, num esclarecimento enviado às redações, que “o fotógrafo em causa não se limita a fotografar apenas sete eventos, antes acompanha diariamente as atividades da presidência do município — para lá de outros serviços para as publicações da CML”. A autarquia destaca ainda que “basta uma breve pesquisa de segundos na conta do presidente da autarquia para perceber que o trabalho (que está assinado) não se limita ao elencado pelo Corvo”.

Ora, foi precisamente esta página que levantou dúvidas durante a campanha. É que nessa mesma conta de Instagram eram publicadas as fotografias das ações do presidente da Câmara, Fernando Medina, assinadas por “Luís Filipe Catarino/CML“, mas também as fotografias do candidato socialista Fernando Medina, igualmente tiradas por Luís Filipe Catarino mas não assinadas. O Observador confirmou, em dezenas dessas ações, que era Catarino quem tirava as fotos, o que significa que o nome do autor da fotografia era omitido propositadamente nas ações do PS. Além disso, a conta de Medina no Instagram, durante a campanha, mudou para “Medina2017”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Desde logo, a situação levantava um problema: o risco de o fotógrafo da Câmara estar eventualmente a trabalhar (e a autarquia a pagar) para um dos candidatos — o que seria ilegal. Na altura, tanto o gabinete de Fernando Medina como o fotógrafo Luís Filipe Catarino explicaram ao Observador que, “para as fotografias na campanha“, o fotógrafo era “pago pelo PS“. Ou seja: num mesmo dia, era pago por duas instituições diferentes. Ambos desvalorizaram também uma eventual incompatibilidade da situação. A versão de Medina e Catarino só pode ser verificada dentro de alguns anos, quando forem publicadas as contas da campanha das autárquicas do PS.

A arruada pelo Chiado foi inesquecível. Viva #Lisboa! #lisboaprecisadetodos #medina2017 #autarquicas2017

Uma publicação partilhada por Fernando Medina (@fernandomedina.pcml) a

Uma das fotografias de Luís Filipe Catarino não assinadas

Além disso, o primeiro contrato de Luís Filipe Catarino falhou completamente o objeto. Na verdade, Catarino acompanhou Fernando Medina como um fotógrafo oficial acompanha um alto representante do Estado, tal como acontece com o fotógrafo oficial do primeiro-ministro ou do Presidente da República. No entanto, o contrato estava longe de firmar isso, estabelecendo que Catarino foi contratado para “serviços de registo fotográfico, tratamento de imagem fotográfica e sistematização de imagem em arquivo do Departamento de Desporto“. Ora, fotografar Fernando Medina nada tem a ver com Desporto.

E aqui uma das fotografias de Luís Filipe Catarino assinadas

Até agora, Catarino fez dois contratos com a Câmara de Lisboa: um primeiro que custou aos cofres da autarquia 55.386,9 euros com uma duração de 350 dias e um segundo, que está em execução, que custou 88.465,29 euros por 570 dias. No total, são 143.852,19 euros pagos em dois anos e meio.

Luís Filipe Catarino foi o fotógrafo oficial da Presidência da República entre 2006 e 2016, os dez anos de mandato de Aníbal Cavaco Silva. Foi fotojornalista do Expresso, tendo acompanhado a crise de Timor-Leste e a Guerra Civil da Guiné-Bissau. Também foi editor da revista de viagens “Volta ao Mundo”.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.