No Reino Unido, um homem de 31 anos foi estrangulado até à morte pela sua píton de 2,4 metros, em Basingstoke, Hampshire. Daniel Brandon, que era dono de dez cobras e 12 tarântulas, morreu por asfixia no dia 25 de Agosto de 2017, tendo a cobra sido encontrada fora da sua gaiola e perto do corpo. Durante meses houve dúvidas acerca das causas da morte, algo que foi agora determinado por um inquérito.

De acordo com a BBC, o médico legista que investigou a morte, Andrew Bradley, disse não ter dúvidas de que Brandon “morreu resultado de contacto” com a cobra, a que o dono chamou Tiny [“pequena” ou “minúscula”]. A mãe de Daniel, Barbara Brandon, revelou que o filho tinha a cobra desde que esta era pequena o suficiente para lhe caber na mão. Barbara disse ainda que o filho tinha noção da força da cobra e que nunca se tinha sentido ameaçado.

Tiny é uma píton africana, a maior espécie de cobra de África. As pítons africanas, cujo nome cíentifico é Python sebae, são nativas da África Subsariana e podem atingir cerca de 7 metros de comprimento. A cobra costuma predar animais do tamanho de antílopes, os quais engole por inteiro. Não é uma cobra venenosa, matando as suas presas através de constrição.

Bradley tem a certeza de que Tiny esteve “envolvida” com Daniel, tendo-se “enrolado à sua volta” em algum momento. “Houve um ponto em que ela ou o dominou inesperadamente ou o fez tropeçar”, afirmou. O médico legista referiu ainda que a cobra se escondeu depois de matar o dono “por causa do choque dele cair ou por causa da sua reação”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Contudo, um perito de cobras, John Cooper, considerou em tribunal que Brandon, que tinha cobras há 16 anos, “teria sabido como desenrolar uma píton”. Cooper disse ainda que analisou a mudança de pele de Tiny no mês de novembro, referindo que esta deveria apresentar arranhões visíveis causados pelas tentativas do dono em desenrolar a cobra. No entanto, o perito não encontrou nenhuns.

Em memória de Daniel Brandon, os seus amigos decidiram criar uma página de JustGiving para angariar fundos para a WWF, a World Wide Fund for Nature, e para a Royal Society for the Protection of Birds, devido à obsessão de Dan com “toda a vida selvagem”.