Foi descoberto um maxilar fossilizado pertencente a um dos primeiros humanos modernos a sair de África para povoar o resto da Terra, anunciaram os cientistas da Universidade de Tel Aviv num estudo publicado esta quinta-feira na revista Science. O fóssil tem entre 177 mil e 194 mil anos. E foi encontrado na caverna calcária colapsada de Mislya, numa encosta do Monte Carmelo, Israel por um caloiro de um grupo de arqueologia em 2002.

A descoberta deste maxilar pode reescrever a história que conhecemos sobre a migração da espécie humana para fora do continente africano. Até agora julgávamos que o Homem moderno tinha saído de África há entre 90 mil e 120 mil anos. Mas, se as análises genéticas confirmarem as desconfianças dos arqueólogos, isso significará que a espécie humana começou a espalhar-se pelo planeta 50 mil anos mais cedo do que pensávamos.

John Hawks, paleontólogo da universidade de Wisconsin, confirmou ao The New York Times que este será o fóssil mais antigo descoberto que pertence a um dos primeiros humanos a saírem do continente africano. O maxilar inclui sete dentes intactos e um dente incisivo partido, mas será muito diferente daquela que o Homem atual tem: “Os primeiros humanos modernos em muitos aspetos não serão assim tão modernos”, explicou Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck. Ainda assim, seria mais parecido connosco do que com um Neandertal.

Ainda vão ser precisos muitos testes para descobrir a que população de Homo sapiens pertencia este maxilar. Ainda assim, os cientistas desconfiam que essa população terá deixado África, mas desaparecido pouco tempo depois. Isso torna pouco provável que a pessoa a quem pertencia este fóssil tenha informação genética que tenha contribuído para o ADN humano atual.

Já se sabia que a caverna de Mislya podia guardar algum material arqueológico capaz de mudar o rumo da História. Datações feitas à caverna sugerem que ela esteve habitada há entre 150 mil e 160 mil anos, no Paleolítico Médio. A caverna devia funcionar como um acampamento onde os humanos dormiam. E passavam o dia a caçar gazelas, veados, tartarugas, lebres e ovos de avestruz.