“Gatos”

Istambul é conhecida como “A cidade dos gatos”. A realizadora turca Ceyda Torun é apaixonada por estes animais e por isso rodou este documentário sobre os felinos (milhares e milhares) que se por lá se passeiam e fazem parte da história, da identidade e da essência da urbe do Bósforo. Torun fixou-se em sete gatos com personalidades muito diferentes, do snobe e preguiçoso Fuligem, que está instalado num pastelaria “gourmet”, à espalhafatosa e vadia Psicopata, que não pára quieta, e filma-os nos respectivos territórios, adoptando os seus pontos de vista e falando com as pessoas que os abrigam. os mimam e lhes dão de comer. Falta apenas a “Gatos” um pouco mais de informação histórica que explique a omnipresença e o estatuto dos animais em Istambul, mas esta lacuna é compensada pela abundância, pela variedade e pelas histórias da gataria aqui retratada.

“Faithfull”

Cantora, compositora, actriz, figura central e musa da cultura pop dos anos 60, de cujos excessos e convulsões é uma das mais notórias sobreviventes, Marianne Faithfull, filha de uma baronesa austríaca e de um militar e agente secreto inglês, foi a escolha da actriz e realizadora francesa Sandrine Bonnaire para tema do seu terceiro filme, e segundo documentário (o primeiro é o tocante “Elle s’appelle Sabine”, sobre a sua irmã autista). Bonnaire recorda, com sensibilidade e método, a intensa e acidentada vida da já septuagenária mulher que gravou álbuns como “Broken English” ou “Give My Love to London”, e interpretou filmes como “A Rapariga da Motocicleta” e “Intimidade”, usando imagens de arquivos, documentos e vários testemunhos, a que não falta o do seu mais famoso antigo amante, Mick Jagger.

“The Post”

Steven Spielberg recua até 1971 para recriar o confronto entre o “The Washington Post” e a Casa Branca de Richard Nixon, pelo direito à publicação dos Pentagon Papers, um estudo explosivo do envolvimento de várias administrações dos EUA no Vietname, entre 1945 e 1967, que tinha sido passado primeiro, clandestinamente, ao “The New York Times”, entretanto proibido de o continuar a divulgar através de uma acção judicial do governo. Meryl Streep interpreta Katharine Graham, a “publisher” do “Post” e proprietária do grupo a que o diário pertencia, e Tom Hanks personifica Ben Bradlee, o histórico director do jornal. “The Post” foi escolhido como filme da semana pelo Observador e pode ler a crítica aqui.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR