Brasil

Cimeira Luso-brasileira adiada a pedido do Brasil

A cimeira luso-brasileira, que estava marcada para 2 de fevereiro, foi adiada a pedido do Brasil. Michel Temer quer ficar no país para garantir a aprovação da reforma do sistema de pensões.

JOÃO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A XIII cimeira luso-brasileira, prevista para 2 de fevereiro, em Lisboa, foi adiada após acordo entre os chefes de Estado dos dois países, disse esta sexta-feira à Lusa a Secretaria de Comunicação da Presidência do Brasil.

Segundo a fonte, o adiamento resulta de um pedido do Presidente brasileiro, Michel Temer, ao seu homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa, que deseja permanecer no país para angariar apoios e garantir a aprovação da reforma no sistema de pagamentos de pensões, projeto que voltará a ser discutido no início de fevereiro pelo Congresso brasileiro.

Questionada, a Secretaria de Comunicação da Presidência do Brasil disse que ainda não há uma nova data prevista para o encontro, frisando que a cimeira foi adiada e não cancelada.

A cimeira luso-brasileira iria realizar-se pouco mais de um ano após a última reunião de alto nível entre os dois país, em novembro de 2016 e a delegação portuguesa seria chefiada pelo primeiro-ministro, António Costa, e a brasileira pelo Presidente, Michel Temer.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)