A Câmara Municipal de Lisboa está a avançar com um projeto de remodelação da fachada do chamado “quarteirão da Suíça”, na Praça da Figueira, revestindo os edifícios com azulejos e alterando a fachada original. É a concretização de um projeto que estava na gaveta desde 2001, mas que contou com algumas reservas da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), segundo conta o jornal Público, e que é aplicado ainda antes de ser conhecido o plano de requalificação para aquela zona. O organismo afeto ao ministério da Cultura, contudo, acabou por autorizar o projeto.

De acordo com o Público, o projeto do arquiteto Daciano da Costa — que teve a sua origem em 2001, com João Soares ainda à frente da autarquia — foi enviado para a DGPC em abril, que pediu um parecer à secção de Património Arquitetónico e Arqueológico (SPAA) do Conselho Nacional de Cultura. A DGPC chegou a questionar se a “alteração do revestimento de fachada do edifício (…) para novo revestimento azulejar” seria um “exemplo valorizador”, tendo em conta a “salvaguarda dos revestimentos primitivos das fachadas” prevista no Plano de Pormenor de Salvaguarda da Baixa Pombalina.

O projeto acabou por ficar congelado e os cem mil azulejos que já tinham sido comprados acabaram arrumados num armazém em Alcântara. De novo, em 2004, Carmona Rodrigues tentou retomar o projeto, mas concluiu-se que eram necessários outros azulejos, uma vez que os primeiros impediam a respiração das paredes. Mas o projeto voltou novamente à gaveta.

(Fórum Cidadania Lisboa)

Contudo, o parecer da SPAA, a que o Público teve acesso, foi positivo. Nele, a SPAA realça a “excecionalidade da proposta do mestre Daciano Costa” e sublinha as “características unitárias e significado urbanístico” da Praça da Figueira, que considera distintas das da Praça do Comércio e do Rossio. O projeto de alterar a fachada destes prédios, na sua maioria devolutos e degradados, teve assim a autorização da DGPC, necessária de acordo com o Plano de Pormenor.

A Câmara de Lisboa pretende ainda levar a cabo uma série de obras na mesma Praça inseridas no programa Uma Praça em Cada Bairro, relembra o jornal. No entanto, não é ainda conhecido o projeto final.