Rádio Observador

Poluição

Remoção de espuma no Tejo é “operação estética” e “não resolve poluição”

445

Seis camiões cisterna começaram hoje a remover a espuma de poluição concentrada junto do açude em Abrantes, distrito de Santarém. Quercus diz que operação não resolve a poluição.

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Seis camiões cisterna começaram hoje a remover a espuma de poluição concentrada junto do açude em Abrantes, distrito de Santarém, uma medida que a associação ambientalista Quercus afirmou ser uma “operação estética”, lembrando que a poluição persiste.

“Esta remoção da espuma em Abrantes é uma operação mais estética, sendo certo que, se o Tejo não tiver uma tão grande acumulação de espuma, aparentemente, o rio fica com melhor imagem”, disse hoje à Lusa Domingos Patacho, tendo feito notar que a medida “não resolve o problema de poluição do rio”.

Em declarações à Lusa, junto ao açude de Abrantes, o coordenador da Quercus do Ribatejo e Estremadura disse que “o problema da poluição no rio persiste e tem de se resolver a montante, junto das fontes de poluição, nomeadamente junto do complexo industrial de Vila Velha de Rodão”.

Seis camiões ‘hidrolimpadores’ e uma equipa de 12 homens começaram hoje a recolher as espumas concentradas junto do açude de Abrantes, apoiados por pás e mangueiras aspiradoras, estando aquelas a ser encaminhada para Estações de Tratamento de Água (ETAR) da região, para tratamento.

Em declarações à Lusa, o técnico coordenador da equipa de trabalho contratada pela Agência Portuguesa do Ambiente, Paulo Amaro, disse que “as espumas estão a ser transportadas para a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Vila Nova da Barquinha”, a cerca de 20 quilómetros de Abrantes, onde “serão depositadas em leitos de secagem para desidratação, oxigenação e anulação”, tendo referido não existir “qualquer perigo”.

Segundo aquele responsável da EPAL – Águas de Portugal do Vale do Tejo, o trabalho dos camiões cisterna de recolha da espuma “não tem prazo para terminar, e vai decorrer todos os dias, enquanto houver luz, e até instruções em contrário”.

Arlindo Marques, do Movimento pelo Tejo – proTEJO, disse à Lusa, por sua vez, que este “é um trabalho inglório”, tendo referido que “a poluição continua nas águas” e que estas, “ao serem mexidas, vão continuar a fazer espuma”.

Segundo o ambientalista, “as espumas verificam-se também a montante de Abrantes, na zona de Ortiga”, Mação, tendo defendido que a questão “só se resolve recolhendo toda a água do Tejo e indo à origem da poluição”, que disse estar “em Vila Velha de Rodão”.

A remoção da espuma que cobre o Tejo em Abrantes, a redução da atividade da empresa Celtejo e a retirada de sedimentos do fundo de albufeiras foram medidas anunciadas na sexta-feira em Abrantes pelo Governo devido à poluição registada recentemente no rio.

Numa conferência de imprensa em Abrantes, na sexta-feira, após uma reunião com várias entidades, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, referiu que foram mobilizados seis camiões para a remoção da espuma nas margens do Tejo, junto ao açude de Abrantes, tendo afirmado que iniciariam hoje a sua operação.

“Não se resolve desta forma o problema da poluição, mas reduziremos em parte o seu impacto visual e impediremos que a poluição proceda para jusante”, afirmou o governante.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)