Rádio Observador

CDS-PP

Assunção Cristas quer ouvir preocupações de cidadãos para construir programa eleitoral

380

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, ouviu hoje preocupações ligadas à saúde, deficiência e condições de vida de idosos, no âmbito da preparação do programa eleitoral.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, ouviu hoje preocupações ligadas à saúde, deficiência e condições de vida de idosos, no âmbito da preparação do programa eleitoral, em visita à Feira do Fumeiro, em Montalegre, onde disse valorizar o mundo rural.

O CDS-PP tem em curso a iniciativa “Ouvir Portugal”, através da qual diz querer auscultar ideias e preocupações de portugueses, das diferentes regiões do país, para construir um programa eleitoral.

Assunção Cristas foi hoje a Montalegre, no distrito de Vila Real, para distribuir beijos, sorrisos, panfletos e falar “olhos nos olhos” com quem andava pela feira, que é conhecida como a “rainha do fumeiro” e atrai milhares de pessoas.

“É esse o nosso objetivo, é fazer um programa não apenas fechado no nosso partido, mas alargando e abrindo o mais possível a independentes e a todas as pessoas que querem connosco partilhar as suas ideias”, afirmou a líder do CDS-PP aos jornalistas.

Cristas disse que, nestes contactos, as principais preocupações reveladas estão relacionadas com o acesso aos cuidados de saúde, com o apoio à deficiência, aos idosos e também educação.

“Normalmente ouvimos a crítica das pessoas que só aparecem na altura de campanha, pois nós queremos estar muito próximos das pessoas, a ouvi-las, a receber as suas opiniões e, por isso, criámos este ciclo, a que chamamos ouvir Portugal, que tem esta dimensão de estar rua a rua a conversar com as pessoas”, frisou.

Questionada sobre a afirmação do deputado do PS João Galamba, que disse que “dificilmente haverá aumentos na função pública em 2019”, e as buscas para “recolha documental” no Ministério das Finanças, a responsável referiu que estas não foram preocupações sinalizadas pelas pessoas com quem contactou.

“Deixe-me falar hoje do ‘Ouvir Portugal’ e dar importância ao interior do país. Estamos numa feira do mundo rural, do mundo agrícola, dos produtos portugueses, genuinamente portugueses, que são uma das grandes riquezas do nosso país, e deixe-me valorizar isso hoje”, frisou.

Assunção Cristas disse que, para o CDS-PP, é “muito importante olhar para todo o território e dizer às pessoas que não estão abandonadas” e que “tudo fará para que mais serviços de saúde possam estar em todo o país e para que não haja portugueses de primeira, ou segunda ou de terceira”.

A presidente do CDS-PP repetiu a ideia de que a saúde tem “sido o parente pobre da governação e que é afetado diretamente por uma austeridade que não acabou”

“A saúde é uma área onde o Governo não tem cumprido aquilo que diz e onde fala de uma realidade que não é aquela que nós vivemos todos os dias no terreno”, frisou.

Recordou o aumento dos tempos de espera para as consultas, as cirurgias canceladas e o aumento das dívidas na área da saúde, que é afetada por uma “austeridade encapotada”.

A Feira do Fumeiro de Montalegre, que termina hoje, contou com a presença de 70 produtores, que colocaram à venda cerca de 50 toneladas de fumeiro, e representa um volume de negócios na ordem dos 2,5 milhões em todo o concelho.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)