Emprego

Perspetivas de recrutamento em Portugal estão num nível elevado

397

Um estudo divulgado esta segunda-feira concluiu que as perspetivas de recrutamento em Portugal estão num nível elevado. A investigação diz mesmo que 2018 é "o ano da retoma do emprego".

HANNAH MCKAY/EPA

Autor
  • Agência Lusa

As perspetivas de recrutamento em Portugal estão num nível elevado, o que constitui um “claro reflexo” do dinamismo do mercado de trabalho, segundo um estudo da consultora em recrutamento especializado Hays divulgado esta segunda-feira.

A Hays diz mesmo que 2018 é “o verdadeiro ano da retoma do emprego em Portugal”. De acordo com os resultados do Guia do Mercado Laboral 2018, as perspetivas de recrutamento para 2018 atingem os 81%, constituindo o valor mais alto alguma vez verificado nos inquéritos realizados pela consultora.

Esta percentagem, que constitui um claro reflexo do dinamismo do mercado de trabalho atual, torna-se, no entanto, “algo preocupante quando comparada com a de profissionais que demonstram interesse em mudar de emprego, que desceu este ano para o valor mais baixo de sempre (70%)”.

Assim, “as perspetivas de recrutamento e o interesse numa mudança de emprego parecem estar a seguir rumos opostos, acentuando a clivagem entre procura e oferta de competências”. No entanto, de acordo com o relatório, estas tendências variam “consideravelmente consoante a região do país e o tipo de empresa”.

Nas grandes empresas nacionais, por exemplo, as intenções de recrutamento para 2018 estão bastante acima da média (86%), ultrapassando até as das empresas multinacionais (81%). A nível regional, encontram-se também algumas diferenças relevantes.

A percentagem de empresas na região Norte que têm interesse em recrutar é a mais elevada do país, ascendendo a 88%. Já as regiões Centro e Sul partilham a mesma previsão de recrutamento (78%), mas têm evoluído de forma distinta, uma vez que enquanto no Centro esta percentagem caiu quatro pontos percentuais face ao ano passado, no Sul disparou 10 pontos percentuais.

Quando questionados relativamente ao volume de contratações previsto para 2018, cerca de um terço dos empregadores afirmou que pretende recrutar um número superior a 10 novos colaboradores e 13% admitiu mesmo contratar mais de 30 pessoas.

“A esmagadora maioria dos recrutamentos surgirá como consequência direta do crescimento das empresas em território nacional ou no estrangeiro”, sinaliza.

A Hays refere, a propósito, que os últimos anos foram pautados pela fuga de talento para o estrangeiro, mas diz que essa tendência está a alterar-se.

“O mercado nacional apresenta cada vez maior abertura para a integração de profissionais qualificados, pelo que a intenção de emigrar desceu drasticamente em 2017 para 37%”, refere, apontando que esta mudança representou uma queda de 32 pontos percentuais face a 2016, num “claro sinal de abrandamento da fuga de talento”.

Em termos salariais, o estudo sinaliza que Portugal deverá continuar a revelar-se um país bastante atrativo para a fixação de estruturas multinacionais, que procurarão certamente construir as suas estruturas com os melhores profissionais qualificados do mercado.

Também entre as empresas que já se encontram em território nacional e que têm conseguido crescimento orgânico ou inorgânico haverá interesse em contratar profissionais qualificados de contabilidade de finanças, para apoiar planos estratégicos e garantir o rigor e otimização do negócio.

“São esperados ligeiros aumentos nos pacotes salariais globais, que serão mais evidentes em posições menos comuns ou mais difíceis de atrair. Muitos profissionais qualificados estão conscientes do seu valor no mercado, pelo que valorizam cada vez mais uma oferta salarial atrativa, bem como uma melhoria significativa de benefícios não financeiros como o seguro de saúde, seguro de vida e viatura para utilização própria”, lê-se no estudo.

De acordo com a ficha técnica, o Guia do Mercado Laboral da Hays analisa motivações e preferências de profissionais e empresas, com base nas respostas de 3.884 profissionais qualificados e 713 empregadores aos inquéritos anónimos efetuados.

A consultora faz ainda uma análise das dinâmicas de recrutamento em áreas e setores de mercado específicos, acompanhada de tabelas salariais com valores mínimos, médios e máximos habitualmente praticados para funções qualificadas nas regiões de Lisboa e Porto.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Abusos na Igreja

O Observador e os abusos na Igreja

Miguel Pinheiro

Como foi feito e por que foi feito o trabalho especial do Observador sobre abusos sexuais na Igreja portuguesa? Quais são as dúvidas e críticas dos leitores? E quais são as nossas respostas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)