Inquérito

Portugueses preocupados com oceanos, mas revelam pouco conhecimento

112

Um inquérito realizado a dois mil portugueses adultos indica que 75% estão preocupados com o futuro dos oceanos. Contudo, estes revelam saber pouco sobre o assunto.

À pergunta "qual o maior peixe do oceano?, 54% respondeu "baleia azul"

CABALAR/EPA

Os portugueses defendem mais informação sobre os ecossistemas marinhos e estão preocupados com o futuro dos oceanos, mas revelam pouco conhecimento sobre os mesmos, pode concluir-se das respostas a um inquérito divulgado esta segunda-feira.

O inquérito, feito este mês junto de dois mil portugueses adultos, indica que 75% estão preocupados com o futuro dos oceanos. Mas 54% respondeu “baleia azul”, um mamífero, à pergunta “qual o maior peixe do oceano?”. Só 20% referiram corretamente o tubarão-baleia como o maior peixe.

O inquérito foi feito por uma empresa britânica para a plataforma de aluguer de alojamento ‘Airbnb’, e, se forem extrapoladas as respostas, 76% dos portugueses pensa que os oceanos são muito importantes para a vida da humanidade. E também que a maior parte (65%) defende um melhor conhecimento dos mares, e que 63% quer ver o Governo a fazer mais para garantir que a população aprenda mais sobre o impacto dos humanos sobre os oceanos e como protegê-los.

Metade dos portugueses (ainda extrapolando os resultados do inquérito) consome pescado e marisco sem conhecer se a origem é sustentável e mais de um terço admite que deveria proteger os oceanos apesar de não saber como, mas ainda assim é grande a percentagem (40%) dos que se comprometem a reciclar produtos plásticos.

O inquérito revela ainda que 80% dos portugueses dizem que há cinco oceanos no planeta e ainda há uma franja de 1% que está convencida de que existem apenas dois oceanos.

O inquérito surge a propósito de um desafio a habitantes de 13 países, quatro deles na Europa, Portugal incluído, para que expliquem o que sonham explorar no fundo mar. As três melhores respostas são premiadas com a possibilidade de mergulhar num submergível até aos mil metros nas Bahamas.

Para concretizar a iniciativa, a ‘Airbnb’ e a cadeia de televisão britânica BBC Worldwide anunciaram neste dia que o navio de investigação marítima da OceanX (uma organização de investigação e divulgação oceânica), Alucia (usado na série da BBC Blue Planet II), passou a ser anunciado na plataforma.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Abusos na Igreja

Católicos anticlericais precisam-se

António Pimenta de Brito

Tristemente e depois de vários países com centenas, milhares de casos e figuras altas da Igreja acusadas e condenadas, os negacionistas ainda existem. Sejam eles noutros países, mas no nosso também.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)