Rádio Observador

Mário Soares

António Costa sobre Mário Soares: “odiava a Europa dos tecnocratas e desistentes”

O primeiro-ministro realçou, em Bruxelas, a "militância europeia" de Mário Soares, que "via na Europa unida uma das mais admiráveis construções políticas e morais da história humana".

ARIS OIKONOMOU/EPA

O primeiro-ministro, António Costa, realçou hoje, em Bruxelas, a “militância europeia” de Mário Soares, que “via na Europa unida uma das mais admiráveis construções políticas e morais da história humana” e “odiava” a Europa dos tecnocratas, resignados e desistentes.

Cerca de um ano sobre o falecimento de Mário Soares, o Parlamento Europeu homenageou hoje o antigo chefe de Estado e de Governo português atribuindo o seu nome a uma das salas da assembleia em Bruxelas, numa cerimónia muito concorrida, na qual António Costa iniciou a sua intervenção saudando esta homenagem à “memória de um grande homem, de um grande português, de um grande europeu e de um grande cidadão do mundo”.

Soares via na Europa Unida uma das mais admiráveis construções políticas e morais da história humana, de que os cidadãos e os povos europeus tinham o direito, e até o dever, de se orgulhar. Por isso, odiava a Europa dos burocratas e dos tecnocratas, a dos resignados e a dos conformistas, a dos financistas e a dos cínicos, a dos céticos e a dos desistentes”, disse.

Lembrando o percurso de Mário Soares e o seu papel de “resistente à ditadura”, assim como à “radicalização da Revolução (do 25 de Abril de 1974) e à tentação totalitária que a acompanhava”, António Costa apontou que, “no desempenho dos mais altos cargos – secretário-geral do PS, dirigente da Internacional Socialista, primeiro-ministro, Presidente da República – o grande e permanente objetivo de Soares foi instituir, consolidar, aprofundar e enraizar em Portugal, sem ambiguidades, adiamentos ou álibis, uma democracia europeia, civilista, pluralista, pluripartidária e desenvolvida”.

Soares conseguiu e isso foi um grande feito. Ganhou ele, ganhou Portugal, ganhou a Europa. Com uma ousada visão estratégica, que não vacilou um instante, foi Soares quem subscreveu, logo em 1977 o pedido de adesão de Portugal à então CEE. Foi ainda ele que, em 1985, logrou concluir as negociações e assinar o Tratado de Adesão”, recordou.

António Costa sublinhou “se Soares lutou sempre por um Portugal europeu, lutou e militou também sempre por uma Europa moderna que esteja à altura da sua melhor tradição e dos altos desígnios dos seus pais fundadores”. “Ao longo dos anos, Mário Soares esteve entre os políticos europeus que mais falaram e escreveram sobre a Europa. Os seus escritos testemunham as suas alegrias e os seus apelos, as suas euforias e as suas preocupações, as suas advertências e as suas deceções, as suas propostas e as suas indignações. Soares foi um militante da Europa”, tendo mesmo sido deputado ao Parlamento Europeu (1999-2004), assinalou.

Regozijando-se por, com esta homenagem, o nome de Mário Soares se juntar, “merecidamente, no Parlamento Europeu aos nomes de outros europeus ilustres, como Konrad Adenauer, Altiero Spinelli, Willy Brandt e Simone Veil, de alguns dos quais foi amigo”, António Costa defendeu que, “num tempo de mudanças, dificuldades e perplexidades (…) os grandes europeus e o seu exemplo edificante são um património” que deve ser valorizado e divulgado.

“Agradeço, como português e cidadão europeu, e em nome do Governo português e de Portugal, esta homenagem. Estamos muito reconhecidos aos que dela tiveram a iniciativa e a todos os que a tornaram possível. Portugal tem muito orgulho em Mário Soares, e sabemos que a Europa a que, em grande parte graças a ele, pertencemos e que ele ajudou a construir, partilha connosco este orgulho reconhecido e inspirador”, completou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Panteão Nacional

O papelão nacional /premium

Alberto Gonçalves
906

Pensando melhor, é absurdo reservar o Panteão aos mortos. Se eu mandasse, bênção de que a nação não usufrui, o Panteão seria o destino imediato dos vivos que revelassem indícios de dimensão épica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)