Rádio Observador

Futebol

Aubameyang, o avançado que desafia Bolt e já jogou com cristais Swarovski nos pés

Foi o primeiro avançado gabonês a jogar na Bundesliga e será uma das principais ausências no próximo Mundial: quem é Pierre-Emerick Aubameyang, o jogador mais caro da história do Arsenal.

Aubameyang num dos mortais com que às vezes comemorava os golos apontados pelo B. Dortmund

AFP/Getty Images

Pelos melhores e piores motivos, Pierre-Emerick Aubameyang tornou-se um nome em constante destaque nos últimos anos cinco anos. Dos golos, das assistências e das cambalhotas nos relvados aos processos disciplinares por apatia nos treinos ou saídas noturnas, houve um pouco de tudo. No último dia louco de mercado, foi notícia por tornar-se a contratação mais cara de sempre do Arsenal (quase 64 milhões de euros).

Filho de um antigo futebolista com passagens por clubes franceses (Toulouse ou Nice) e pela seleção, onde esteve em duas edições da Taça Africana das Nações, o avançado de 28 anos passou pela formação do AC Milan – onde o pai tinha então funções de olheiro – mas acabou por ser emprestado a Dijon, Lille, Mónaco e Saint-Étienne em épocas consecutivas, não conseguindo nunca fixar-se nos rossoneri (que bem devem lamentar agora a decisão).

Seria aí, no Saint-Étienne, com 39 golos em 83 jogos ao longo de duas temporadas, que se começaria a destacar e a despertar as atenções de alguns dos principais conjuntos europeus. E não foi apenas pelo que jogava: em 2012, ano em que participou nos Jogos Olímpicos de Londres marcando um golo à Suíça, teve uma das muitas excentricidades (logo ele que é descrito pelos companheiros de equipa como alguém tímido) e jogou com umas chuteiras avaliadas em quase três mil euros que tinham pequenos cristais Swarovski.

Em 2013, quando já o colocavam no Newcastle, acabou por transferir-se para o B. Dortmund de novo por influência do pai, que via em Jürgen Klopp o técnico ideal para potenciar as qualidades do gabonês. Mais uma vez, a opção foi acertada. Tornou-se num dos melhores avançados das principais ligas europeias e uma máquina de golos: 16 golos e 48 jogos em 2013/14; 25 golos e 46 jogos em 2014/15; 39 golos e 49 jogos em 2015/16; 40 golos e 46 jogos em 2016/17; 21 golos e 24 jogos em 2017/18. O que faltou? O Campeonato, sempre ganho pelo Bayern; o Mundial, porque o Gabão falhou de novo a qualificação (um pouco como Weah, único africano melhor do mundo).

Principal característica: instinto e velocidade. Velocidade do género 3,7 segundos em 30 metros, que levou mesmo o dianteiro que tinha como principais referências no início Ronaldo Fenómeno, George Weah e Thierry Henry a desafiar para um duelo o homem mais rápido do mundo, Usain Bolt. Segue-se o Arsenal e Londres, cidade onde o jamaicano é um autêntico Deus. Será que Aubameyang chegará a esse patamar?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)