Futebol

Aubameyang, o avançado que desafia Bolt e já jogou com cristais Swarovski nos pés

Foi o primeiro avançado gabonês a jogar na Bundesliga e será uma das principais ausências no próximo Mundial: quem é Pierre-Emerick Aubameyang, o jogador mais caro da história do Arsenal.

Aubameyang num dos mortais com que às vezes comemorava os golos apontados pelo B. Dortmund

AFP/Getty Images

Pelos melhores e piores motivos, Pierre-Emerick Aubameyang tornou-se um nome em constante destaque nos últimos anos cinco anos. Dos golos, das assistências e das cambalhotas nos relvados aos processos disciplinares por apatia nos treinos ou saídas noturnas, houve um pouco de tudo. No último dia louco de mercado, foi notícia por tornar-se a contratação mais cara de sempre do Arsenal (quase 64 milhões de euros).

Filho de um antigo futebolista com passagens por clubes franceses (Toulouse ou Nice) e pela seleção, onde esteve em duas edições da Taça Africana das Nações, o avançado de 28 anos passou pela formação do AC Milan – onde o pai tinha então funções de olheiro – mas acabou por ser emprestado a Dijon, Lille, Mónaco e Saint-Étienne em épocas consecutivas, não conseguindo nunca fixar-se nos rossoneri (que bem devem lamentar agora a decisão).

Seria aí, no Saint-Étienne, com 39 golos em 83 jogos ao longo de duas temporadas, que se começaria a destacar e a despertar as atenções de alguns dos principais conjuntos europeus. E não foi apenas pelo que jogava: em 2012, ano em que participou nos Jogos Olímpicos de Londres marcando um golo à Suíça, teve uma das muitas excentricidades (logo ele que é descrito pelos companheiros de equipa como alguém tímido) e jogou com umas chuteiras avaliadas em quase três mil euros que tinham pequenos cristais Swarovski.

Em 2013, quando já o colocavam no Newcastle, acabou por transferir-se para o B. Dortmund de novo por influência do pai, que via em Jürgen Klopp o técnico ideal para potenciar as qualidades do gabonês. Mais uma vez, a opção foi acertada. Tornou-se num dos melhores avançados das principais ligas europeias e uma máquina de golos: 16 golos e 48 jogos em 2013/14; 25 golos e 46 jogos em 2014/15; 39 golos e 49 jogos em 2015/16; 40 golos e 46 jogos em 2016/17; 21 golos e 24 jogos em 2017/18. O que faltou? O Campeonato, sempre ganho pelo Bayern; o Mundial, porque o Gabão falhou de novo a qualificação (um pouco como Weah, único africano melhor do mundo).

Principal característica: instinto e velocidade. Velocidade do género 3,7 segundos em 30 metros, que levou mesmo o dianteiro que tinha como principais referências no início Ronaldo Fenómeno, George Weah e Thierry Henry a desafiar para um duelo o homem mais rápido do mundo, Usain Bolt. Segue-se o Arsenal e Londres, cidade onde o jamaicano é um autêntico Deus. Será que Aubameyang chegará a esse patamar?

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)