Rádio Observador

Governo

Ligação elétrica com Marrocos avança “logo que estejam reunidas as condições”

O Governo garante que a ligação elétrica entre Portugal e Marrocos vai avançar "logo que estejam reunidas as condições". O investimento está na ordem dos 735 milhões de euros para os dois países.

ANTÓNIO JOSÉ/LUSA

O Governo vai criar um grupo de trabalho para definir o concurso de mais de 700 milhões de euros para a construção do cabo elétrico entre Portugal e Marrocos, prevendo lançá-lo “logo que estejam reunidas as condições”.

“Já estamos a trabalhar para ter um grupo de trabalho para lançar os termos de referência do concurso. O nosso objetivo é lançá-lo logo que estejam reunidas as condições”, afirmou à agência Lusa o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches.

Falando após uma reunião de trabalho com representantes do executivo de Marrocos, na terça-feira, o governante admitiu que “ainda não existe prazo” para lançar o concurso, justificando ser “uma questão que não depende apenas do Governo português”.

“Estamos a trabalhar no sentido de conseguir ter, dentro das melhores condições possíveis, a oportunidade política para o lançar”, acrescentou, falando em encontros entre os países para definir o modelo técnico a adotar. No final de dezembro passado, o primeiro-ministro, António Costa, estimou que o projeto arrancasse no primeiro semestre deste ano.

Concluído está já um estudo relativo à viabilidade da construção deste cabo elétrico, que aponta para um investimento na ordem dos 735 milhões de euros para os dois países. De acordo com Jorge Seguro Sanches, o custo “será por aí”, já que tem conta o modelo técnico e financeiro usado na ligação edificada entre a Holanda e o Reino Unido, que rondou os 600 milhões de euros.

Ainda assim, destacou que este investimento será compensado “pelo preço da energia que passa de um país para o outro”, num prazo entre 15 e 20 anos, segundo o estudo. Questionado sobre a possibilidade de recorrer a fundos comunitários, o governante disse que o Governo está “aberto a todas as possibilidades […] para que a existência desta ligação seja uma realidade nos próximos tempos”, e notou que este é um projeto importante para a União Europeia e para os países do norte de África.

O estudo revela que a ligação elétrica “tem benefícios para os produtores, para os consumidores e para a economia dos dois países”. “O cabo não terá impacto sobre a fatura dos consumidores, ou seja, não terão de ser os consumidores a pagar o cabo e ele próprio se vai sustentar pela energia que vai passar de um país para o outro”, referiu Jorge Seguro Sanches.

No plano técnico, o cabo — que deverá ligar a zona de Tavira, no Algarve, e a cidade marroquina de Tânger — permitirá a Portugal vender energia a Marrocos e também comprar. O secretário de Estado da Energia apontou, assim, que o projeto se insere “numa prioridade muito grande ao nível estratégico que é a de o país estar mais ligado a outros países para que o potencial renovável possa ser colocado ao serviço de outras economias”, possibilitando ainda “comprar energia a preços mais baixos” sempre que necessário.

Esta vantagem também foi destacada pelo secretário-geral do Ministério da Energia de Marrocos, Abderrahim El Hafidi, que após a reunião disse à Lusa que esta ligação “é interessante para os dois países”, desde logo por criar “oportunidades para os consumidores escolherem a fonte de energia com menor custo”. Permitirá, ainda, “consolidar um mercado de energia regional”, realçou Abderrahim El Hafidi.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)