Lisboa

Marcha do Alto do Pina deixa de desfilar na Avenida da Liberdade em 86 anos

86 anos depois, a marcha do Alto do Pina não vai desfilar na Avenida da Liberdade nas Festas de Lisboa. Em causa está uma mudança no regulamento que, segundo a marcha, "só entra em vigor em 2019".

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A marcha do Alto do Pina, que participa nas Festas de Lisboa desde 1932, não vai desfilar em 2018 na Avenida da Liberdade devido a uma mudança no regulamento, que, na sua opinião, “só deveria entrar em vigor em 2019”.

Pedro Jesus, representante do Ginásio do Alto do Pina, falou na terça-feira aos deputados da Assembleia Municipal de Lisboa para demonstrar o seu “descontentamento pela forma como a administração da EGEAC [Empresa Municipal de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural] se tem comportado no último ano e meio, relativamente às marchas de Lisboa”.

“A marcha do Alto do Pina é pioneira desde 1932 neste grande evento que são as Festas de Lisboa e as marchas populares, em 2012 representámos o município de Lisboa em Macau e em 2016 igualmente. Somos medalha de Mérito Municipal grau ouro e instituição de interesse público municipal”, afirmou o responsável.

Segundo Pedro Jesus, a “EGEAC alterou recentemente o regulamento do concurso de marchas populares a vigorar na edição de 2018, contudo fê-lo na edição de 2017” e “sem a aprovação das marchas, contrariando o que sempre foi costume até então”.

Numa publicação na sua página da rede social Facebook, o Ginásio do Alto do Pina explicou que, “segundo o novo regulamento, as últimas três marchas não participam na edição seguinte”.

Dado que na edição de 2017, a marcha do Alto do Pina ficou em 17.º lugar, juntamente com Belém (que obteve a mesma pontuação), foi feito um sorteio que ditou a “não inclusão da marcha na edição de 2018, juntamente com as duas últimas marchas classificadas”.

“Tal imbróglio criado ditou o afastamento definitivo para a edição de 2018 da marcha do Alto do Pina, da marcha de Santa Engrácia [20ª classificada], e da marcha de Benfica [19ª classificada]”, referiu o representante.

Pedro Jesus referiu também que em setembro houve uma reunião que contou com representantes de 19 marchas, na qual o conjunto entendeu que “as novas condições regulamentares, nomeadamente as de admissão a concurso, só deveriam entrar em vigor para o sorteio de 2019 e não como foi feito em novembro pela EGEAC”.

Sob solicitação da empresa, “21 marchas unidas fizeram uma proposta ao Conselho de Administração da EGEAC”, que foi entregue “no início de dezembro”, mas a resposta “só foi recebida” na terça-feira e foi negativa, elencou.

Entretanto, deu entrada na Assembleia Municipal uma petição sobre o assunto, que vai agora ser apreciada pelos deputados.

“Somos parceiros da Câmara Municipal de Lisboa, amamos esta cidade e as Festas de Lisboa, não nos tirem aquilo que amamos”, rematou Pedro Jesus, apontando que a marcha tem “elevado bem alto o nome da cidade de Lisboa”.

Também a marchante Ana Rita Ramos tomou a palavra em representação dos outros marchantes, para considerar ser “injusto o que a EGEAC fez” e apelar “a que esta situação seja resolvida”.

A agência Lusa tentou obter um esclarecimento por parte da EGEAC, mas até ao momento não obteve resposta.

Na sessão plenária de hoje, os eleitos municipais debateram também o tema do alojamento local, tendo sido aprovada uma moção no sentido de “solicitar à Assembleia da República a alteração do enquadramento legal do desta atividade, tendo em vista que o atual processo de registo dê lugar a um processo de autorização com critérios a definir pelos municípios”.

A moção pede também que seja possibilitado “aos municípios a limitação das autorizações concedidas para zonas específicas, através do estabelecimento de quotas, que assegurem o equilíbrio entre a habitação permanente e o uso turístico”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)