A greve dos tripulantes de cabine da TAP, marcada para os dias 9, 10 11 de fevereiro, o período das férias de Carnaval, foi desconvocada esta quinta-feira em assembleia-geral do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, de acordo com o jornal Público. Em causa, estavam “os constantes atropelos ao AE [Acordo de Empresa] e a degradação das condições de trabalho dos tripulantes de cabine”.

Tripulantes de cabine da TAP em greve entre 9 e 11 de fevereiro, param parcialmente em março

Na mesma assembleia-geral em que tinha sido aprovada esta greve, foram ainda aprovadas paralisações a iniciar no dia 28 de março. Uma diz respeito a “todos os serviços de voo a realizar nos equipamentos A330-300 até ao integral cumprimento do “Protocolo operação equipamentos A330-300”, que se relaciona com condições e horários de trabalho.

Outra paralisação será em “voos de médio curso, sempre que a hora de despertar (hora local) ou a apresentação, fora da base, se incluir no período crítico do ritmo circadiano (ciclo metabólico diário), e o tripulante efetuar um tempo máximo de período de serviço de voo superior a seis horas”.

A terceira greve, a partir de 28 de março, diz respeito a “serviços de voo de longo curso, operados em equipamento NB e nos voos de médio curso equivalentes (‘Block time’ igual ou superior a 3h30 em qualquer dos percursos) em regime de ida e volta e que incluam no todo ou em parte o período crítico circadiano (2h00 – 6h00), que sejam planeados para além do 4.º dia de utilização após o último período de folga”.