Esta é a primeira incursão da Uber por veículos sem as tradicionais quatro rodas. A empresa americana especializada no transporte de pessoas, até aqui sempre em automóvel, vira-se agora pela primeira vez para as duas rodas, propondo um sistema de bike sharing, disponível a partir da sua aplicação. As bicicletas, de formas e cor características, pertencem à Jump, uma empresa nova-iorquina especializada neste tipo de serviço com veículos a pedais, que ganhou uma licença para explorar uma frota de 250 bicicletas na Califórnia.

Nesta altura, deverá estar a questionar-se sobre o papel da Uber neste novo negócio, uma vez que a Jump – a antiga Social Bicycles – não só tem as bicicletas, como tem a experiência de alugá-las, possuindo (de acordo com o site) mais de 15.000 em 40 diferentes cidades, uma delas em Washigton DC. Basicamente, a Uber aproveitou a boleia da Jump para testar um negócio em que acredita e do qual pretende ter uma fatia importante. Se for viável, claro.

O que torna o bike sharing da Uber/Jump em São Francisco distinto é a ausência de estações onde deixar as bicicletas, depois da viagem, local onde podem tradicionalmente ser recarregadas. E é aqui que entra a Uber. Os seus clientes apenas têm de clicar na opção “bike” da sua aplicação e, rapidamente, surge um mapa com todas as bicicletas nas imediações. Depois, basta reservar a Jump mais próxima, deslocar-se até lá, passar o cartão de crédito (2 dólares por cada 30 minutos) e rumar ao destino. Uma vez terminada a experiência, a bicicleta deverá ser abandonada num dos muitos parques públicos de veículos de duas rodas, que aparecem na app como “bike zones”.

As Jump são bicicletas a pedal, com uma bateria integrada que alimenta um motor eléctrico. A função deste é ajudar o ciclista, colocando a sua potência ao serviço das pernas do condutor. É prático, especialmente em São Francisco, conhecida pelas suas colinas e constantes subidas e descidas (excepto junto ao mar), que transformam a experiência de circular em bicicleta num tormento. A menos que estejam equipadas, como é o caso, de assistência eléctrica.

O acordo da Jump com o município de São Francisco prevê testes de 18 meses, dado que o bike sharing sem estações pré-determinadas e específicas é uma novidade, período findo o qual será decidido se o acordo actual é prolongado. Sendo que o sucesso da relação entre a Jump e a Uber depende igualmente da apreciação dos responsáveis pela cidade californiana.