A Polícia Judiciária Militar (PJM) recuperou esta madrugada a Glock que tinha sido roubada a um militar da GNR no início do mês, depois de uma perseguição a um carro que não respondeu à ordem de paragem da GNR ter terminado com dois militares do Destacamento de Trânsito agredidos. Ao Observador, o porta-voz daquela polícia, major Vasco Brazão, confirma “a operação e a recuperação da arma”, sem adiantar mais pormenores.

O Observador sabe que a operação desencadeada esta madrugada, na região de Castelo Branco, aconteceu na sequência de uma investigação desenvolvida pela PJM. A arma recuperada estava na posse de civis e corresponde à que tinha sido roubada, a 10 de janeiro, a um dos militares da GNR que participaram na perseguição.

Nesse dia, um carro desobedeceu à indicação de paragem dos militares do Destacamento de Trânsito de Castelo Branco entre aquela cidade e a localidade de Maxiais, e obrigou os militares a uma perseguição que terminou com um despiste do carro em que seguiam cinco pessoas. Dois deles, ao sair do carro, agrediram os militares envolvidos na perseguição e é durante esse confronto físico que a Glock de um dos agentes acaba por ser roubada.

Os suspeitos ainda conseguiram fugir a pé mas, pouco depois, quatro deles acabariam por ser detidos pela GNR. É possível que a arma agora recuperada estivesse na posse do quinto suspeito, que continuava em fuga, mas essa informação não foi confirmada oficialmente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Depois das agressões, fonte do Comando Territorial de Castelo Branco da GNR explicou à TVI que “a patrulha mandou parar uma viatura, que se pôs em fuga”. Os militares “foram no encalço dos fugitivos, que acabaram por se despistar” e, logo de seguida, um dos militares “conseguiu agarrar o condutor, sendo que os restantes ocupantes da viatura acabaram por agredi-lo com pedras, deixando-o praticamente inconsciente”.

No grupo que seguia no carro estavam duas mulheres, ambas de 37 anos, dois homens e uma menor, de 15 anos. Terá sido um desses homens, que seguia ao volante do carro, a ficar com a arma do militar agredido com um bastão e pedras.