Super Bowl

Estes 19 anúncios foram banidos do Super Bowl

São picantes, políticos ou então demasiado liberais. Mesmo pagando 167 mil dólares por cada segundo, estes anúncios foram banidos do intervalo do Super Bowl. Mas quem disse que não tiveram sucesso?

O intervalo do Super Bowl é “um jogo dentro do jogo”, como lhe chamam os norte-americanos. E é um jogo que envolve muito dinheiro: o site Advertising Age estimou o preço de um segundo de publicidade no intervalo do evento tendo em conta os valores cobrados pelos 30 segundos de exposição na final da NFL. E descobriu que, no ano passado, as marcas que publicaram anúncios naquele halftime devem ter gasto quase 167 mil dólares por segundo, um número 167 vezes maior que o exercido em 1967, quando o evento nasceu.

Valores como este podem valer à FOX 385 milhões de dólares de lucro só à conta das publicidades no intervalo, um número que é maior do que o lucro conseguido com anúncios em todas as décadas de 60, 70 e 80 juntas. Nada de estranhar, fazendo as contas: um anúncio de 30 segundos, o mais típico nos intervalos do Super Bowl, chega a custa 5 milhões de dólares.

Mesmo com tantos milhões envolvidos, o dinheiro não compra tudo. A organização do Super Bowl e as entidades competentes que regulam a comunicação social precisam de garantir que os anúncios que vão para o ar são “amigos das famílias”. Não podem ser demasiado liberais — como ver dois homens a beijarem-se –, não podem ser demasiado políticos — como uma crítica ao muro trumpista entre os Estados Unidos e o México –, nem demasiado sexuais — como o anúncio da PETA banido por mostrar dois casais em pleno ato sexual.

Só que ser banido dos intervalos do Super Bowl pode mesmo bastar para que o nome da marca faça eco. É o fenómeno Internet: se a televisão não absorve, os internautas arquivam-na. Mas não esquecem. E os anúncios que pode ver aqui em baixo são prova disso mesmo: nunca apareceram no Super Bowl, mas tiveram tanto sucesso como se tivessem sido publicados. Reveja-os.

84 Lumber: “The Journey Begin”

Man Crunch: “The Big Game”

EA Games: “Dante’s Inferno”

Bud Light: “Clothing Drive”

Snickers: “Manly”

Snickers: “Car Wash”

Go Daddy: “Lola”

United Church of Christ: “Bouncer”

Carl’s Jr: “Paris Hilton Director’s Cut”

PETA: “Veggie Love”

Bud Light: “Apology Bot 3000”

Rolling Rock: “Remember Your Cup”

Carl’s Jr: “Big Sausage”

Powerade Zero: “Teeter Totter”

PETA: “Go Vegan, Last Longer”

Go Daddy: “Proceedings”

Bud Light: “Cut The Cheese”

Budweiser: “Skinny Dipping”

Airborne: “Mickey Rooney”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)