A produção de petróleo da Galp cresceu 19,9% no quarto trimestre de 2017 face ao período homólogo, fixando-se nos 99,1 mil barris/ dia, segundo os dados comunicados à Comissão de Mercados e Valores Mobiliários (CMVM).

De acordo com os dados comunicados pela Galp à CMVM, que são preliminares pois os resultados da empresa serão apenas publicados no dia 20, em comparação com o terceiro trimestre do ano, a produção média ‘net entitlement’ subiu de 92,4 mil barris/dia para 99,1 mil, um crescimento de 7,2%.

A subida da produção média no último trimestre é fruto do contínuo aumento da produção no Brasil, que cresceu 23,9% no quarto trimestre de 2017 face ao período homólogo, passando para 93,9 mil barris por dia.

Nesta subida, destaca-se o maior contributo da sexta unidade de produção flutuante (FPSO) do projeto Lula-Iracema, Cidade de Saquarema, que entrou em produção em julho de 2016 e se encontra atualmente a produzir à sua capacidade máxima.

A petrolífera portuguesa acrescentou ainda que a produção ‘net entitlement’ em Angola caiu 24,2% no quarto trimestre de 2017 face ao mesmo período no ano anterior, fixando-se nos 5,2 mil barris diários.

A produção ‘net entitlement’ é a mais relevante para as contas da empresa, pois tem impacto integral nos resultados da Galp, após o pagamento de imposto em espécie nos países onde as concessões se localizam.

Já a produção total (working interest) da Galp subiu 19,1% no último trimestre de 2017 face ao mesmo período do ano anterior, fixando-se nos 101,2 mil barris/dia, ultrapassando pela primeira vez num trimestre os 100 mil barris/dia.

Segundo os dados comunicados à CMVM, dos 101,2 mil barris por dia de produção total no último trimestre do ano passado, 88,6 mil barris corresponderam a produção de petróleo, sendo o restante de gás natural.

As matérias-primas processadas mantiveram-se estáveis no quarto trimestre de 2017 face ao trimestre homólogo.

As vendas de produtos refinados caíram 1,6% no quarto trimestre de 2017 face ao período homólogo e as vendas a clientes diretos aumentaram 1,9%, suportadas sobretudo na maior atividade económica registada na Península Ibérica (sobretudo ligada ao turismo) e em África.

De acordo com as informações da petrolífera portuguesa comunicadas à CMVM, as vendas de gás natural aumentam 2% face ao período homólogo, sobretudo devido à recuperação nas vendas a clientes diretos, que subiram 5,9%.

Esta subida deve-se às maiores vendas no segmento industrial em Portugal e Espanha.

Já as vendas em trading caíram 2,9%, traduzindo a atual redução das oportunidades existentes no mercado.

As margens de refinação de referência (benchmark) na Europa foram de 3,5 dólares por barril durante o quarto trimestre, uma redução de 8,5% em relação ao trimestre homólogo. Estas são margens de referência, não são as margens efetivas das refinarias da Galp, que serão divulgadas na apresentação de resultados, no dia 20 de fevereiro.

O preço médio do brent neste período aumentou 24,2% em termos homólogos, fixando-se nos 61,3 dólares por barril, que compara com 49,3 dólares/barril no trimestre homólogo.