Dois agentes da polícia baleados e uma megaoperação policial em quatro pontos do território espanhol: foi o que aconteceu nesta manhã de segunda-feira e resultou no desmantelamento de “uma das mais fortes e perigosas” redes de tráfico de droga em Espanha e na detenção de um dos maiores traficantes de droga da Europa, José Ramón Prado Burgullo — mais conhecido como Sito Miñanco ou Pablo Escobar espanhol. Se for condenado, esta será a sua terceira condenação.

Miñanco, agora com 62 anos, estava em liberdade, depois de, em 2015, ter sido autorizado pelo juiz a aceitar uma proposta de trabalho como forma de se reintegrar na sociedade. Atualmente, trabalhava como segurança de um parque de estacionamento e dormia num centro de reintegração social. O facto de os atos criminosos se terem passado há algum tempo, o “estado avançado de cumprimento da sentença, o bom comportamento da prisão” motivaram a decisão do juiz, que impôs uma condição: não voltar à Galiza. O Pablo Escobar espanhol foi detido por branqueamento de capitais.

Miñanco já tinha sido condenado a 20 anos de prisão, em 1994, e a 16, em 2004 (Foto: TVGalicia/Twitter)

O “rei da coca” da Galiza iniciou-se no negócio da droga no final da década de 80, quando tinha cerca de 25 anos e começou a traficar cocaína que vinha da América Latina. Durante anos, o Pablo Escobar espanhol manteve estreitas relações com o cartel de Cali, na Colombia, e uma vida de luxo: Ferraris, restaurantes caros e prostitutas na sua mansão. Chegou mesmo a comprar um clube de futebol de Cambados, em Pontevedra, o Juventud Cambados.

Em 1990, foi sinalizado no âmbito de uma operação e, mesmo fugindo para o Panamá, acabou por ser apanhado em Madrid, sete meses depois. Em 1994, foi condenado a 20 anos de prisão pelo tráfico de 2,4 toneladas de cocaína, fuga de impostos e falsificação de documentos.

Após cumprir sete anos de prisão, em 2001, Miñanco fica em liberdade condicional mas por pouco tempo: é detido noutra operação internacional de tráfico de droga, onde foram apreendidas cinco toneladas de haxixe, numa vila em Madrid — a partir da qual Miñanco supervisionava o negócio da droga. Em 2004, é condenado a 16 anos e 10 meses de prisão e uma multa de 390 milhões de euros. Em 2010, foi novamente acusado de branqueamento de capitais através da sua mulher — um caso que ainda está a aguardar julgamento no Tribunal de Pontevedra — mas acabou por ser mais tarde posto em liberdade, até esta segunda-feira.

Mais detidos e dois polícias baleados

A operação policial decorreu esta manhã de segunda-feira (Foto: elespectador/Twitter)

David Pérez Lage, enteado do também traficante de droga Laureano Oubiña e Rosa María Prado Pouso, filha de Miñanco também foram detidos na operação policial levada a cabo esta manhã de segunda-feira na Galiza, Algeciras, Málaga e Madrid. A filha de Sito Miñanco foi detida em Cambados, em Pontevedra, na Galiza.

O local onde foram detidos outros traficantes, em Collado Villalba, na capital espanhola, foi também o local onde os dois agentes ficaram feridos, ao serem atingidos por disparos de um dos traficantes, de acordo com o jornal El Mundo. Um dos agentes foi atingido com uma bala na clavícula e foi submetido a uma cirurgia. O outro seria atingido no coração se não estivesse a usar um colete anti-balas, acabando apenas por ficar ligeiramente ferido no peito.