Rádio Observador

Drogas

Sito Miñanco (ou o “rei da coca” da Galiza) foi detido em megaoperação policial

Sito Miñanco estava em liberdade desde 2015 e trabalhava como segurança de um parque de estacionamento. O Pablo Escobar espanhol deu um passo em falso e foi detido por branqueamento de capitais.

Sito Miñanco tem 66 anos e iniciou-se no negócio da droga aos 25

elmundoes/Twitter

Dois agentes da polícia baleados e uma megaoperação policial em quatro pontos do território espanhol: foi o que aconteceu nesta manhã de segunda-feira e resultou no desmantelamento de “uma das mais fortes e perigosas” redes de tráfico de droga em Espanha e na detenção de um dos maiores traficantes de droga da Europa, José Ramón Prado Burgullo — mais conhecido como Sito Miñanco ou Pablo Escobar espanhol. Se for condenado, esta será a sua terceira condenação.

Miñanco, agora com 62 anos, estava em liberdade, depois de, em 2015, ter sido autorizado pelo juiz a aceitar uma proposta de trabalho como forma de se reintegrar na sociedade. Atualmente, trabalhava como segurança de um parque de estacionamento e dormia num centro de reintegração social. O facto de os atos criminosos se terem passado há algum tempo, o “estado avançado de cumprimento da sentença, o bom comportamento da prisão” motivaram a decisão do juiz, que impôs uma condição: não voltar à Galiza. O Pablo Escobar espanhol foi detido por branqueamento de capitais.

Miñanco já tinha sido condenado a 20 anos de prisão, em 1994, e a 16, em 2004 (Foto: TVGalicia/Twitter)

O “rei da coca” da Galiza iniciou-se no negócio da droga no final da década de 80, quando tinha cerca de 25 anos e começou a traficar cocaína que vinha da América Latina. Durante anos, o Pablo Escobar espanhol manteve estreitas relações com o cartel de Cali, na Colombia, e uma vida de luxo: Ferraris, restaurantes caros e prostitutas na sua mansão. Chegou mesmo a comprar um clube de futebol de Cambados, em Pontevedra, o Juventud Cambados.

Em 1990, foi sinalizado no âmbito de uma operação e, mesmo fugindo para o Panamá, acabou por ser apanhado em Madrid, sete meses depois. Em 1994, foi condenado a 20 anos de prisão pelo tráfico de 2,4 toneladas de cocaína, fuga de impostos e falsificação de documentos.

Após cumprir sete anos de prisão, em 2001, Miñanco fica em liberdade condicional mas por pouco tempo: é detido noutra operação internacional de tráfico de droga, onde foram apreendidas cinco toneladas de haxixe, numa vila em Madrid — a partir da qual Miñanco supervisionava o negócio da droga. Em 2004, é condenado a 16 anos e 10 meses de prisão e uma multa de 390 milhões de euros. Em 2010, foi novamente acusado de branqueamento de capitais através da sua mulher — um caso que ainda está a aguardar julgamento no Tribunal de Pontevedra — mas acabou por ser mais tarde posto em liberdade, até esta segunda-feira.

Mais detidos e dois polícias baleados

A operação policial decorreu esta manhã de segunda-feira (Foto: elespectador/Twitter)

David Pérez Lage, enteado do também traficante de droga Laureano Oubiña e Rosa María Prado Pouso, filha de Miñanco também foram detidos na operação policial levada a cabo esta manhã de segunda-feira na Galiza, Algeciras, Málaga e Madrid. A filha de Sito Miñanco foi detida em Cambados, em Pontevedra, na Galiza.

O local onde foram detidos outros traficantes, em Collado Villalba, na capital espanhola, foi também o local onde os dois agentes ficaram feridos, ao serem atingidos por disparos de um dos traficantes, de acordo com o jornal El Mundo. Um dos agentes foi atingido com uma bala na clavícula e foi submetido a uma cirurgia. O outro seria atingido no coração se não estivesse a usar um colete anti-balas, acabando apenas por ficar ligeiramente ferido no peito.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)