A Bugatti acaba de criar, para os proprietários do Veyron, um novo programa de extensão de garantia e manutenção, destinado a tornar as revisões menos onerosas. Se bem que a marca não avance preços.

O “Loyalty Maintenance Program” (Programa de Fidelização na Manutenção, numa tradução livre) passa a fazer parte tanto da extensão de garantia da Bugatti, como do programa Extensão de Garantia Plus. Vigorando, a exemplo destes, por um período máximo de 15 anos.

Conhecida toda a história do veículo, a disponibilização da garantia certificada da Bugatti e o apoio individualizado do serviço ao cliente Bugatti acabam por fazer toda a diferença para os clientes do Veyron, sendo muito mais que um simples selo de aprovação”, realça o director da Certificação e dos Serviços Financeiros Bugatti, Franco Utzeri.

Para que possa receber a necessária certificação Bugatti, com a qual passará dispor de uma manutenção (supostamente) mais acessível, por 15 anos, o Veyron em questão tem de passar, primeiro, por uma inspecção da marca. Aí tudo é testado e, em caso de necessidade, substituído, com a vistoria a passar não apenas pelos componentes mecânicos, como até mesmo pelos painéis da carroçaria. Os técnicos procedem ainda a actualizações de software, de modo a que, no fim da inspecção, o automóvel possa receber a certificação Bugatti e desfrutar não só da extensão de garantia, como dos serviços de manutenção.

A marca francesa tem previsto disponibilizar vários tipos de pacotes de manutenção, para que o cliente possa escolher aquele que mais lhe convém. “Os nossos clientes usam os seus Bugatti de forma muito variada e particular”, afirma o director de Serviço ao Cliente Chris Kelly, recordando que “muitos clientes gostam de utilizar o seu carro todos os dias, ao passo que outros olham para ele como uma peça de arte, da sua colecção privada”. Como tal, defende, “cada cliente tem uma expectativa muito própria do serviço prestado pela marca”, pelo que assim se tornará mais fácil “corresponder a essas expectativas de forma muito mais adequada”.