Fernando Pessoa

Museu Rainha Sofia espera que o público “descubra” Fernando Pessoa

O diretor do Museu Rainha Sofia, em Madrid espera que a exposição "Fernando Pessoa: Toda a arte é uma forma de literatura" seja "uma descoberta" para o público.

MIGUEL A.LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O diretor do Museu Rainha Sofia, em Madrid, Manuel Borja-Villel, espera que a exposição “Fernando Pessoa: Toda a arte é uma forma de literatura”, que vai ser inaugurada esta terça-feira, seja “uma descoberta” para o público espanhol e internacional.

“Espero que seja uma descoberta” para o público, porque “a vanguarda portuguesa tem caraterísticas próprias” e a “figura de Fernando Pessoa é fundamental” neste movimento da primeira metade do século XX, disse Manuel Borja-Villel, na apresentação da exposição, esta manhã, em Madrid.

O primeiro-ministro português, António Costa, e o ministro espanhol da Cultura, Ínigo Méndez de Vigo, inauguram oficialmente a exposição esta terça-feira, às 19h30 (18h30 de Lisboa).

A exposição, aberta ao público de 7 de fevereiro (quarta-feira) até 7 de maio, vai reunir mais de 160 obras de arte (pintura, desenhos e fotografia) de cerca de 20 artistas, como José de Almada Negreiros, Amadeo de Souza-Cardoso, Eduardo Viana, Sarah Affonso, Júlio, Sonia e Robert Delaunay, entre outros.

“Alguns artistas são conhecidos do público espanhol, como José de Almada Negreiros, mas, no seu conjunto, são pouco conhecidos”, disse Borja-Villel.

As obras em exposição são emprestadas por diversas coleções privadas e instituições como a Fundação Calouste Gulbenkian (56 obras), a Biblioteca Nacional de Portugal, Museu Amadeo de Souza-Cardoso, em Amarante, e o Centro Georges Pompidou, em Paris, entre outras.

O diretor do Museu Rainha Sofia sublinhou que, ao contrário do que aconteceu em outros contextos periféricos, os artistas vanguardistas portugueses nunca foram seguidores miméticos das inovações artísticas dos centros da época, como Paris.

“E é essa forma de ser outra coisa que é única” com a vanguarda portuguesa, explicou Manuel Borja-Villel.

Os comissários da mostra são a historiadora de arte Ana Ara e o subdiretor do museu Rainha Sofia, o português João Fernandes, que na semana passada disse à Lusa que esta exposição vai ser “uma grande revelação”, com “nomes fundamentais” da história do Modernismo em Portugal.

A exposição também presta uma atenção especial às revistas onde Fernando Pessoa escreveu, como A Águia, Orpheu, K4 O Quadrado Azul, Portugal Futurista ou Presença, que “atuaram como caixa de ressonância das ideias de vanguarda.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Europa

Falta de confiança  /premium

Manuel Villaverde Cabral

Por todo o lado são cada vez mais os eleitores que se abstêm ou que se viram para os «populistas» que tudo prometem e, até agora, não conseguem mais do que piorar as coisas, aumentando a instabilidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)